VOLTAR

Governos descumprem metas de preservação

O Globo, Ciência, p. 32
30 de abr de 2010

Governos descumprem metas de preservação
Apesar de compromisso assinado em 2002, indicadores de biodiversidade estão piores

Renato Grandelle

Um compromisso internacional estabelecido oito anos atrás, com a missão de proteger a biodiversidade, foi solenemente ignorado. Esta é a conclusão de um artigo publicado ontem na revista "Science" pela organização Ecological Footprint. De acordo com o estudo, as metas de conservação assumidas em 2002 não foram cumpridas pelos governos. Pior: a maioria dos 30 indicadores analisados tem, hoje, a situação mais crítica da História.

Diretor de política ambiental da ONG Conservação Internacional no Brasil, Paulo Gustavo Prado atribuiu o resultado frustrante a dois obstáculos:
- A Convenção sobre Diversidade Biológica, onde foram traçadas as metas, não conseguiu convencer os países ricos a fornecer recursos técnicos e científicos às nações pobres - critica. - Houve, também, entraves para que a biodiversidade recebesse um tratamento urgente, como leis obsoletas. E a iniciativa privada continua sem estímulo para se engajar.

O artigo da "Science" foi a primeira avaliação independente dos compromissos de 2002. Apesar do mau desempenho global, o Brasil mereceu alguns elogios.

- Estamos entre os que mais evoluíram - destaca Prado. - Criamos parques e reservas ambientais. Falta, no entanto, transformar estas unidades de conservação em áreas produtoras de conhecimento. Outro destaque foi o aumento do número de profissionais qualificados para trabalhar com biodiversidade.

De acordo com a ONU, as populações de fauna diminuíram 30% nos últimos 30 anos. A área de mangues foi reduzida em 20%, e a cobertura de corais vivos em 40%. A Conservação Internacional recomenda que o Brasil invista mais, especialmente em indústrias limpas, para preservar seus ecossistemas.

O Globo, 30/04/2010, Ciência, p. 32

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.