VOLTAR

Governo intensifica apoio à produção em terras indígenas de Assis Brasil

Agência Acre- http://www.agencia.ac.gov.br
30 de mar de 2016

A Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) vai intensificar o apoio à produção rural em terras indígenas em Assis Brasil, distante 342 quilômetros de Rio Branco, pela BR-317.

Na região, existem 26 aldeias em quatro terras indígenas, onde vivem mais de mil índios das etnias manchinery e jaminawá.

Os representantes dos povos tradicionais de Assis Brasil buscam apoio da Seaprof para ampliar a assistência técnica como forma de aumentar a produção agrícola nas comunidades, destinada à segurança alimentar e à comercialização.

Outra reivindicação dos indígenas é a aquisição de barcos para ajudar no escoamento da produção.

Nas aldeias, as principais produções são de arroz, banana e mandioca. Sabá Manchineri, liderança indígena, afirma que o apoio técnico é a principal dificuldade enfrentada pelos índios. "Precisamos de um acompanhamento técnico mais próximo para aumentarmos nossa produção. A reivindicação é de que tenhamos um técnico exclusivo para atender nossas aldeias com assistência técnica."

Com o encaminhamento do encontro com as lideranças indígenas, a Seaprof vai montar um plano de ação na área da produção na comunidade. Para isso, no mês de abril será realizada uma reunião ampliada em Assis Brasil, com a participação de mais representantes das aldeias.

"Vamos intensificar essa parceria. Alguns equipamentos que vão ajudar a comunidade já estão em processo de licitação, e nessa reunião maior vamos levantar o que cada família produz e como podemos atuar para fortalecer a produção familiar dessas aldeias", destaca Glenilson Figueiredo, gestor da Seaprof.

http://www.agencia.ac.gov.br/governo-intensifica-apoio-a-producao-em-te…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.