VOLTAR

Governo incentiva criação em reservatórios de hidrelétricas

FSP, Folha Invest, p. B7
06 de jun de 2011

Governo incentiva criação em reservatórios de hidrelétricas

ENVIADA ESPECIAL A NATAL

O governo quer aproveitar as águas de reservatórios de hidrelétricas para desenvolver a aquicultura brasileira.
"A água é propriedade da União. A usina tem autorização para produzir energia. Vamos dar concessões para criação de peixes", disse à Folha a ministra da Pesca e Aquicultura, Ideli Salvatti.
Além de dar aos recursos da União mais uma finalidade, a vantagem de construir parques aquícolas em áreas de hidrelétricas é a agilidade no licenciamento ambiental.
Segundo a ministra, os estudos científicos sobre os reservatórios, que podem demorar até dois anos para ficar prontos, são iguais para as duas atividades. Trabalhos já desenvolvidos para a instalação das usinas, portanto, poderiam ser aproveitados para a aquicultura.
Em um evento marcado para o final de julho, Ideli tentará convencer os concessionários das usinas a compartilhar com o ministério seus estudos sobre os reservatórios. "Mais do que uma economia em dinheiro, seria uma economia de tempo", afirmou. A ação está sendo coordenada com o Ministério de Minas e Energia.
Para a concessão dos reservatórios para os criadores de peixes, não é necessária autorização das usinas, e sim outorga da ANA (Agência Nacional das Águas).
Até agora, foram entregues títulos de concessões para aquicultores em três reservatórios: Castanhão (CE), Tucuruí (PA) e Itaipu (PR). Até o final deste ano, mais três parques devem estar em funcionamento em Ilha Solteira (entre SP e MS), Três Marias (MG) e Furnas (MG).
"Há mais 35 reservatórios que podem receber criações de peixes já no ano que vem. Se eu conseguir essa negociação com o setor elétrico, esse número pode subir para 100", afirma. (TF)

FSP, 06/06/2011, Folha Invest, p. B7

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mercado/me0606201112.htm

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.