VOLTAR

Governo do Brasil vai a julgamento no Tribunal Latinoamericano da Água, na Guatemala

Rio Madeira Vivo - www.romadeiravivo.org
Autor: Mônica Pinto
29 de ago de 2008

O Governo do Brasil é réu em um dos casos a serem julgados pelo Tribunal Latinoamericano da Água (TLA) no próximo dia 11, em sessão a ser realizada na cidade de Antigua, na Guatemala.

O TLA é um Tribunal Internacional ético e promove sessões de julgamento de conflitos na América Latina que envolvam danos aos recursos hídricos e a comunidades ribeirinhas, tradicionais e indígenas (para conhecer todas as causas a serem apreciadas na reunião, em Espanhol, clique aqui).

A denúncia contra a União foi apresentada pela Associação Kanindé de Defesa Etnoambiental, em virtude da "ameaça de danos irreparáveis à integridade física e territorial de índios e grupos indígenas isolados, representada pelos dois grandes empreendimentos hidrelétricos projetados para o rio Madeira, em Rondônia: as usinas de Santo Antônio e Jirau".

Em Carta Aberta à População, a Associação Kanindé - com sede naquele estado - coloca que ambas "fazem parte do pacote de obras de infra-estrutura denominado como PAC (Plano de Aceleração do Crescimento), lançado no ano de 2007, o qual traduz a política do Governo Federal de desenvolvimento a qualquer custo - social e ecológico". E lembra que, no dia 11 passado, o Ibama liberou a Licença de Instalação da Usina de Santo Antônio.

"Nas áreas de influência direta e indireta da UHE Santo Antônio, existem grupos indígenas isolados reconhecidos pela Funai (Fundação Nacional do Índio). No entanto, os estudos de demarcação da Terra Indígena sequer foram iniciados, embora a área esteja interditada", disse a AmbienteBrasil o advogado Rodrigo Siqueira, especialista em Direito Ambiental e um dos "defensores etnoambientais" responsáveis pela preparação do processo.

"No caso de início das obras, os danos serão irreparáveis, se estudos posteriores comprovarem a influência nos territórios dos grupos de índios isolados", completa.

Segundo Rodrigo, tendo em vista a insatisfação da sociedade civil com os resultados de seus requerimentos perante o Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), o caso foi apresentado ao TLA na expectativa de se criar um novo fato político. "As decisões do TLA não são obrigatórias, mas sinalizam princípios éticos que prejudicam a imagem de responsabilidade ambiental de governos e empresas que as desconsiderem", diz ele.

A sessão de julgamento segue os ritos processuais de praxe. A Advocacia Geral da União foi oficialmente intimada e será responsável pela defesa do Governo brasileiro. A outra ré do pleito é a IIRSA, a Iniciativa de Integração da Infra-Estrutura Regional Sul-Americana, no âmbito da qual as hidrelétricas do Madeira foram concebidas.

A IIRSA é, oficialmente, um processo multisetorial que pretende desenvolver e integrar as áreas de transporte, energia e telecomunicações da América do Sul, em dez anos.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.