VOLTAR

Finep reconhece inovação social de criação de abelhas em comunidades indígenas

Radiobrás-Brasília-DF
Autor: Bianca Paiva
18 de set de 2005

O projeto Meliponicultura em Comunidades Indígenas no Estado do Amazonas - Uma experiência com os povos ticuna, cocama e mura, foi um dos vencedores da categoria Inovação Social, na região norte, do Prêmio Finep de Inovação Tecnológica.

"O objetivo do projeto é implantar a meliponicultura (criação de abelhas indígenas sem ferrão) e verificar suas conseqüências em três comunidades da Amazônia legal", afirma Alexandre Coletto da Silva, coordenador do projeto. Estudante de doutorado em entomologia pelo Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) ele é colaborador do grupo desenvolvido na pós-graduação do Inpa, onde implantou a pesquisas com abelhas.

Segundo Silva, o projeto surgiu para permitir às comunidades indígenas incrementar a renda familiar, aumentar a qualidade de vida com a incorporação do mel e do pólen na alimentação e colaborar para a conservação e preservação das abelhas nativas, prejudicadas com os desmatamentos, as queimadas e o próprio extrativismo indiscriminado. "As ações dos meleiros, pessoas que não detém técnicas e retiram os enxames dos ocos das árvores, que é o ambiente natural dessas abelhas, derrubam a árvore, retiram o mel e deixam as colônias jogadas lá. Essas colônias são perdidas por causa da ação de formigas e outros inimigos", explicou.

Silva disse que habitam a comunidade Guanabara 3, da etnia ticuna, cerca de 300 indíos. Na comunidade Nova Aliança, da etnia cocama, habitam 160 indígenas em 25 famílias. Ambas estão localizadas na região do Alto Solimões, no município de Benjamin Constant na fronteira com a Colômbia e o Peru. A comunidade Murutinga, da etnia mura, próxima ao município de Autazes, concentra o maior número de habitantes: aproximadamente 900.

De acordo com Silva, a criação do projeto demandou uma série de levantamentos, como por exemplo do conhecimento que os índios detêm dos diferentes nomes das abelhas. "O trabalho de treinamento do pessoal, formação de melipolicultores, entrevistas. Saber como era o manejo antigamente e como é agora com a introdução de uma tecnologia nova para eles", disse.

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), ligada ao Ministério de Ciência e Tecnologia, recebeu 679 inscrições de todas as regiões do país. No Norte, foram 53 projetos, dos quais foram selecionadas oito apenas do Amazonas.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.