VOLTAR

Fernando de Noronha teve mais de 103 mil visitantes em 2018, diz governo

G1 - http://g1.globo.com/
Autor: Ana Clara Marinho
25 de jan de 2019

Fernando de Noronha teve mais de 103 mil visitantes em 2018, diz governo
25/01/2019 12h55

Ana Clara Marinho, G1 PE - Fernando de Noronha

Segundo dados divulgados nesta sexta-feira (25) pela administração da ilha, o número de turistas aumentou, em relação a 2017 e a 2016.

A Administração de Fernando de Noronha divulgou, nesta sexta-feira (25), o balanço da visitação, em 2018. Os dados apontam que a ilha recebeu 103.548 turistas. O fluxo foi maior do que em 2017, quanto foram registrados 94.151 visitantes, e também superou 2016, que somou 91.194 pessoas.

Apesar da realização da festa de réveillon, dezembro não foi o mês de maior movimento. No último mês do ano passado, a ilha recebeu 9.746 turistas. Em novembro, Noronha recebeu 10.110 pessoas. Em setembro, foram 10.086 visitantes.

O estado que mais enviou turistas para Fernando de Noronha foi São Paulo (24.646 turistas), seguido por Pernambuco (14.285 visitantes) e Rio de Janeiro (11.637 pessoas). No turismo internacional, a Argentina foi responsável pelo maior número de estrangeiro (1.914 turistas), seguida dos Estados Unidos (1.207 visitantes) e Itália (944 pessoas).

Parque
No início deste mês, o Instituto Chico Mendes da Biodiversidade (ICMBio) divulgou um balanço dos ingressos vendidos para acesso ao Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha (Parnamar). A instituição apontou um aumento na visitação de 11,3%, em 2018. O número de visitantes na reserva ambiental passou de 90.313, em 2017, para 100.402, no ano passado.

O ICMBio informou que vai analisar a visitação na próxima reunião do Conselho Gesto do Núcleo Integrado do Parque Nacional Marinho e Área de Proteção Ambiental, no dia 5 de fevereiro. O Governo do Estado também não divulgou avaliação do fluxo turístico na ilha em 2018.

https://g1.globo.com/pe/pernambuco/blog/viver-noronha/post/2019/01/25/f…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.