VOLTAR

Farinha de babaçu é alternativa sustentável para a farinha de milho

Revista Globo Rural - https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Sustentabilidade/
23 de mai de 2019

Farinha de babaçu é alternativa sustentável para a farinha de milho
Chefs de cozinha trazem receitas de como usar o ingrediente em variados pratos

POR REDAÇÃO GLOBO RURAL

Distribuído por mais de 18 milhões de hectares em todo o Brasil, o babaçu é uma das mais importantes representantes das palmeiras brasileiras, contribuindo para a economia de mais de 300 mil famílias que têm na extração manual da amêndoa do coco a sua principal fonte de renda.

De biscoitos e pães a bolos e vatapá, receitas de pratos doces e salgados fáceis de preparar usando a farinha de babaçu estão disponíveis gratuitamente no livro assinado pelos chefs de cozinha Alex Atala, Bela Gil e pela nutricionista Neide Rigo.

A publicação, realizada pelas associações extrativistas da Terra do Meio (PA) e pelo Instituto Socioambiental (ISA), é parte da campanha Da Floresta para a Merenda!, que levou o babaçu da Terra do Meio para as casas, restaurantes e merenda escolar da região de Altamira (PA).

Com a marca "Vem do Xingu", a farinha de babaçu é beneficiada nas miniusinas da Rede de Cantinas da Terra do Meio, e é fruto do trabalho das comunidades ribeirinhas das Reservas Extrativistas Rio Iriri, Riozinho do Anfrísio e Xingu, dos agricultores do Projeto Sementes da Floresta e do povo Arara da Terra Indígena Cachoeira Seca, no Pará.

Além de contribuir para a sustentabilidade das comunidades ribeirinhas e a preservação da bacia do rio Xingu, o babaçu ainda é uma nutritiva fonte de alimento. Segundo a nutricionista e co-autora do livro, Neide Rigo, a farinha de babaçu "é rica em ferro, em fibras solúveis, tem taninos, além de minerais que outros amidos puros não têm."

https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Sustentabilidade/noticia/2…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.