VOLTAR

Famílias de pecuaristas ainda vivem na Terra Indígena de Anaro, em Roraima

Amazonia.org.br - http://www.amazonia.org.br/noticias/noticia.cfm?id=328037
16 de set de 2009

Vivem na Terra Indígena (TI) de Anaro, ao norte de Roraima, seis famílias de pecuaristas que precisam deixar o local. Há dois anos, viviam na área 14 famílias de não-índios, que trabalhavam no ramo da pecuária. Com a demarcação da TI, oito deles deixaram a região nos últimos dois anos depois de receberem indenização por suas benfeitorias. A TI Anaro foi demarcada no dia 22 de junho de 2006 e ainda aguarda a homologação do presidente, Luiz Inácio Lula da Silva.

As famílias que ainda estão na região têm problemas com relação à documentação da propriedade, que está em nome de terceiros. O administrador da Fundação Nacional do Índio (Funai), Gonçalo Teixeira, disse ao jornal Folha de Boa Vista que os pecuaristas já se mostraram solícitos ao pedido para que deixem a TI, e a Funai irá buscar orientação para resolver o problema, para que a área não vire uma "segunda Raposa Serra do Sol".

Ainda em Roraima, a Terra Indígena de Trombetas/Mapuera também aguarda homologação. A expectativa é de que o ato homologatório seja único e contemple as duas reservas. Espera-se que o anúncio da homologação seja feito em breve.

Anaro, em Amajari tem 30.474 hectares e abriga 54 índios Wapixana. Já Trombetas/Mapuera, demarcada em setembro de 2005, abriga 8.470 índios das etnias Hixkaryana, Karafawyana, Katuena, Mawayana, Pianokotó, Sikiana, Tunayana, Waimiri Atroari, Waiwái e Xereu. A terra possui 558.502 hectares, tendo 10% do território em Roraima, e o restante nos estados de Amazonas, Pará e Roraima.

Gonçalo também comentou sobre o pedido de ampliação da terra indígena Serra da Moça, que tem gerado conflito com assentamentos da reforma agrária, que vivem no Projeto de Assentamento Nova Amazônia, na zona rural de Boa Vista. Ele afirmou que a questão vem sendo discutida entre as presidências do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e da Funai, em Brasília.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.