VOLTAR

Exploração ilegal destruiu 30% da Floresta Bom Futuro em Rondônia

Rondonotícias - http://www.rondonoticias.com.br
26 de jul de 2011

Grileiros e madeireiros irregulares ocupam a região da Floresta Nacional do Bom Futuro, no distrito de Rio Pardo (cerca de 170 km de Porto Velho). Dados apontam que mais 30% da mata da região foi desmatada pela atividade ilegal na região.

Bom Futuro é uma unidade de conservação criada em 1988 e possuía aproximadamente 280 mil hectares de mata nativa. A terra fértil logo foi ocupada por grandes plantios de café, banana e criação de gado.

Nos anos 90, invasores criaram clandestinamente o Distrito de Rio Pardo dentro da reserva. Atualmente cerca de sete mil moradores ocupam o local sem infra-estrutura básica como água tratada, hospital e energia elétrica.

O Poder Público não investe na área porque seria uma forma de incentivar a invasão na Floresta Nacional. Em 2010 o Governo de Rondônia assinou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o objetivo de manter a área que havia sido explorada. Em contrapartida, o Estado cederia outras terras para a conservação.

O Estado repassou para a União áreas que serão impactadas pela Usina de Jirau. Através de uma medida provisória o Governo Federal diminuiu a flona de 280 mil hectares para 97 mil. Com a medida quem vive dentro da floresta teria que sair até o final deste ano.

De acordo com o administrador de Rio Pardo, Marione Costa, a solução do problema seria o Estado fazer um geo-referenciamento da floresta, para separar as terras. O que segundo Marione já teria sido acertado com o Governo de Rondônia e o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade ( ICMBio) que administra o local.

http://www.rondonoticias.com.br/?noticia,97648,explorao-ilegal-destruiu…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.