VOLTAR

Expedição foi massacrada, eis uma história terrível

Diário de Notícias
03 de dez de 1968

Notícia relata como foi o massacre da expedição pacificadora do padre Calleri, pelos índios Waimiri Atroari.

Os corpos foram encontrados por agentes da FAB (Força Aérea Brasileira) em estado de putrefação, o que dificultou a identificação. O estado em que foram achados os corpos (retalhados) revelaram que o massacre foi muito violento e contou com bordunas e facas para ser realizado.

Dois depoimentos são divulgados pelo jornal. O primeiro é de um mateiro que não pode embarcar com a expedição. Ele diz que os Waimiri-Atroari sempre se assustam com armas de fogo. Segundo ele, alguém da expedição poderia estar usando uma arma, o que teria gerado o conflito. O outro depoimento é de um Comandante, piloto de avião, que teve contato tanto com o padre, quanto com os índios. Ele defende que os Waimiri-Atroari são mansos e não teriam agredido a expedição sem motivos. Acredita que a dura disciplina imposta pelo padre (dando poucos presentes) podia ser um dos fatores causadores do massacre.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.