VOLTAR

Estradas são liberadas após mais de 24h de protesto por prisão de índios

G1- http://g1.globo.com
Autor: Renê Dióz
10 de jan de 2016

As rodovias BR-174 e MT-170 foram liberadas neste domingo (10) por volta das 12h após mais de 24 horas de bloqueio realizado por manifestantes da cidade de Juína (cidade a 737 km da capital) em protesto pela prisão dos índios que mataram, há um mês, os amigos Genes Moreira dos Santos Júnior, de 24 anos, e Marciano Cardoso Mendes, de 25. A liberação foi confirmada pela organização do protesto e pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), segundo a qual o trânsito nas rodovias federais em Mato Grosso fluiu sem intercorrências até a tarde deste domingo.

O protesto nas rodovias federal e estadual teve início às 8h de sábado, realizado por familiares e amigos das vítimas e por pessoas da comunidade de Juína, revoltadas com a ausência de informações sobre as investigações em torno da morte de Genes e Marciano e pelo fato de os índios apontados como responsáveis pelo crime ainda não terem sido presos pela Polícia Federal (PF).

De acordo com Valdinei Gustavo Nistron, amigo de Genes e Marciano e um dos organizadores do protesto, durante o bloqueio - montado com pneus nas estradas - foi permitida a passagem apenas de ambulâncias e não houve suspensão momentânea da interdição nem durante a madrugada.

Segundo Nistron, entre os manifestantes havia crianças pequenas e parte dos motoristas parados começou a se exaltar, o que motivou o encerramento do protesto. Entretanto, caso a PF não apresente avanços nas investigações ou a prisão dos índios suspeitos pelo crime, na quarta-feira os manifestantes deverão retomar os bloqueios.

"Se não tomarem alguma providência, quarta-feira a gente vai fechar de novo", avisou Nistron. Ele criticou o fato de que, um mês depois do assassinato de Genes e Marciano, ocorrido após um sequestro em um pedágio permanentemente mantido pelos índios Enawenê-Nawê na BR-174, a cobrança por parte dos índios continua.

http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2016/01/estradas-sao-liberadas-…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.