VOLTAR

Engenheiros propoem solucoes para agua

OESP, Cidades, p.C1
03 de dez de 2003

Engenheiros propõem soluções para água
Relatório que será apresentado hoje tem planos para abastecer SP por 30 anos
Da conclusão de obras no Sistema Alto Tietê ao uso da Bacia do Rio Ribeira do Iguape, passando pelo combate ao desperdício. As soluções apontadas pelo Instituto de Engenharia para regularizar o abastecimento de água nos próximos 30 anos na região metropolitana incluem ações de curto, médio e longo prazos.
Todas serão apresentadas hoje ao governador Geraldo Alckmin e ao secretário de Estado dos Recursos Hídricos, Saneamento e Obras, Mauro Arce. Depois, serão encaminhadas a profissionais dos setores público e privado e à população.
Com análises e recomendações, o documento traz as conclusões de um seminário de dois dias, realizado no mês passado com 11 especialistas, além de técnicos do instituto e uma platéia de empresários, administradores públicos, professores e universitários.
"Problemas grandes têm de ter soluções compatíveis", diz o presidente do instituto, Eduardo Ferreira Lafraia. "O Sistema Cantareira foi feito nos anos 70, para durar 30 anos. Hoje temos certo equilíbrio entre oferta e demanda de água, mas é preciso buscar um novo Sistema Cantareira."
Segundo o relatório do instituto, a concentração populacional da região metropolitana - 17,8 milhões de habitantes, no ano 2000 - tem causado um "stress hídrico". O problema é agravado pela ocupação de áreas de mananciais, como ao redor da Billings e da Guarapiranga, que compromete a qualidade e aumenta os custos de tratamento da água. Aliadas a isso, estão polêmicas como a levantada pelo anúncio de criação de uma autarquia pela Prefeitura para interferir nos serviços prestados pela Sabesp na capital.
O diretor do Departamento de Engenharia Ambiental e Energia do Instituto, José Eduardo Cavalcanti, lembra que a questão da autarquia e outras relacionadas devem ser discutidas em outro evento, em janeiro.
Já estão no atual relatório, porém, uma lista de medidas estratégicas, como a aprovação do projeto que autoriza cobrança do uso de água e a aceleração do plano diretor da Sabesp e da concessão de licenças ambientais de áreas que integram sistemas de abastecimento, sobretudo mananciais.

OESP, 03/12/2003, p. C1

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.