VOLTAR

Desmatamento na Amazônia vai ser reduzido de forma gradual

Rádiobrás-Brasília-DF
Autor: Elisângela Cordeiro
22 de mai de 2003

- Política de proteção do meio ambiente, conservação da biodiversidade, regulação do clima e especialmente o uso dos recursos naturais de forma sustentável são as facilidades apontadas pelo secretário de Desenvolvimento Social do Ministério do Meio Ambiente, Gilney Viana, na utilização da Geotecnologia. Ele participou, em São Paulo, da GEOBrasil 2003 Congresso e da Feira da Geoinfomação que tem como tema soluções integradas de mapeamento, localização e análise geográfica para a gestão de negócios.

De acordo com Gilney Viana, aproximadamente 20% do orçamento anual do ministério são aplicados em Geotecnologia. Ele informa que as ações da pasta seguem a tendência de ampliar a utilização desse recurso de informação. O secretário cita o Programa de Prevenção e Controle de Queimadas e Incêndios Florestais da Amazônia Legal (Proarco) com um dos benefícios da Geotecnologia que traz um monitoramento de focos de calor e eventuais queimadas florestais. "Sabemos qual é a tendência, para onde a queimada está marchando e onde o desmatamento está progredindo, para podermos fazer política pública que evite as queimadas", disse.

Segundo Gilney Viana, o ministério está comprometido em reduzir a média anual de 1,8 milhão de hectares de desmatamento da Amazônia de forma gradativa. Ele afirmou que a metas de diminuição do desmatamento e controle de queimadas vão constar no PPA. O secretário destaca que os resultados não dependem só de fiscalização aérea, mas também de fiscalização terrestre, de oferecer condições alternativas de manejo de solo, além de proteger o meio ambiente, ensinar a população a utilizá-lo com o menor impacto ambiental.

O secretário disse que o ministério está reestruturando a educação ambiental. Ele informa que está prevista a realização da Conferência Nacional de Meio Ambiente para adolescentes e adultos, de forma a manter um efeito multiplicador da informação. "Devemos perder a ilusão de ter dados georeferenciados e despejar em um portal. Democratizar a informação é suficiente, porque boa parte da população não tem acesso a internet", disse, acrescentando que serão realizados debates nas escolas, nos estados, até a constituição de uma conferência nacional. Ele explica que o objetivo do processo é que os adolescentes percebam atividades ambientais positivas e negativas onde vivem. "Queremos que haja um processo de formação de Ecocidadania".

O secretário de Desenvolvimento Social aposta na integração com outros ministérios para a otimização de recursos e resultados nos trabalhos. "Há uma reorganização das ações, uma vez que há iniciativas que são realizados por mais de um ministério, sem a comunicação entre eles", disse. De acordo com ele, há uma melhor integração entre os ministérios e uma concentração de programas do Ministério do Meio Ambiente nas áreas prioritárias do Fome Zero.

Na região do Piauí, partes do Ceará e Maranhão, segundo Viana, são desenvolvidas atividades de educação ecológica ambiental, Agenda 21, além dos programas de caatingas e semiárido para contribuir com os municípios de baixa renda, que têm precariedade de água, de forma a melhorar a qualidade de vida da população.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.