VOLTAR

Desmatamento é foco da fiscalização no Jequitinhonha

IEF - www.ief.mg.gov.br
03 de jun de 2009

Começou nesta segunda-feira (1o) a segunda operação de fiscalização na região do Vale do Jequitinhonha em 2009. A ação foi planejada pelo Comitê Gestor de Fiscalização Ambiental Integrada (CGFAI) e tem como foco o desmatamento. Já no primeiro dia de atuação foram verificadas infrações.

As autuações foram em um empreendimento que estava atuando sem licença para minerar e em áreas com desmates irregulares e intervenções em Área de Preservação Permanente (APP). Foram apreendidos 90 estéreis de lenha irregular.

Para fiscalizar os mais de 20 municípios previstos foram montadas oito equipes multidisciplinares, com técnicos da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), do Instituto Estadual de Florestas (IEF), do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam) e da Polícia Militar de Meio Ambiente, que formam o Sistema Estadual de Meio Ambiente (Sisema).

A coordenação técnica da operação está a cargo do IEF, o coordenador é o analista ambiental Alessandro Albino. A coordenação operacional é feita pela Polícia Militar de Meio Ambiente. A sede da operação fica no município de Itaobim, no Sindicato Rural (Av. Valter de Oliveira, 195, Bairro Guadalupe).

Ainda segundo o secretário-executivo o desmatamento em Minas Gerais deve ser cada vez mais coibido, uma vez que á área já modificada pelo homem é suficiente para atender ao setor produtivo. "Toda a fiscalização na região do Jequitinhonha (uma das mais carentes do Estado) nos traz dificuldades pela condição social na região" explica Teodoro. "A responsabilidade para a promoção do desenvolvimento sustentável será alcançada com ações compartilhadas entre Estado e sociedade", completou. O secretário-executivo destacou que além do desmatamento também serão fiscalizadas outras atividades como mineração.

Região

A região do Jequitinhonha é composta por 83 municípios. Os biomas são bem diversificados, com áreas de Mata Atlântica, Cerrado e Caatinga. E ainda rica em minerais, como reservas expressivas de diamantes, berilo, quartzo, manganês, dentre outros.

Áreas de Proteção

Na região existem diversas áreas de preservação ambiental administradas pelo IEF, como o Parque Estadual Alto Cariri que abriga um importante remanescente de Mata Atlântica que se estende pelo sul da Bahia. Juntamente com o Refúgio de Vida Silvestre Mata dos Muriquis, também localizado em Santa Maria do Salto, somam cerca de 8,8 mil hectares de áreas protegidas e é responsável pela preservação de espécies ameaçadas como o monocarvoeiro, maior primata das Américas.

O crescimento da agricultura e da pecuária na região do Médio Jequitinhonha também foi fator determinante para a criação das unidades. Os fragmentos florestais existentes tornam-se mais vulneráveis às pressões para abertura de novas áreas para plantio e pastagem e as medidas para conservação da área são urgentes.

Em Turmalina, município que será fiscalizado nesta operação fica a Estação Ecológica de Acauã, com mais de cinco mil hectares. Parte da Área de Proteção Ambiental (APA), Águas Vertentes, também está inserida na área de atuação das fiscalizações.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.