VOLTAR

Desertificacao avanca em areas da Amazonia

OESP, Geral, p.A14
06 de mai de 2004

Desertificação avança em áreas da Amazônia Especialistas apontam locais em que processo já está adiantado e podem virar deserto em dez anos
NILTON SALINA Especial para o Estado
PORTO VELHO - Em alguns lugares de Rondônia, a desertificação já pode ser constatada. Em Pimenta Bueno, a 560 quilômetros de Porto Velho, há trechos onde agora só crescem arbustos e mato. Nesses pontos, a areia já é visível. Se o desmatamento não for reduzido, alertam especialistas, em dez anos essas áreas constituirão um verdadeiro deserto.
A possibilidade de desertificação já havia sido prevista na década de 90, quando foi instituído o Plano Agropecuário e Florestal de Rondônia (Planafloro). O ex-coordenador do programa, engenheiro agrônomo Pedro Beber, de 52 anos, explicou que há pontos onde o solo é paupérrimo. "Sem cobertura vegetal, nessas áreas não vão mais crescer árvores", disse.
Por meio de análises da qualidade do solo, foram identificadas as áreas propícias a virar deserto. Além de Pimenta Bueno, Beber cita Cujubim, a cerca de 200 km a oeste de Porto Velho, e Nova Mamoré, a aproximadamente 280 km a noroeste dessa capital. Nesses dois locais a ação de madeireiras é intensa.
Em lugares como Cujubim e Nova Mamoré existe areia embaixo de uma fina camada de terra. Nessas áreas, a floresta acaba se alimentando de si própria. A vegetação se nutre principalmente das folhas que caem. Quando ocorre o desmatamento, as árvores que atingiam com facilidade mais de 40 metros de altura não voltam a nascer.
O promotor de Justiça Miguel Mônico, da área de Meio Ambiente, afirmou que em determinadas áreas não deve ser retirada uma única árvore e comentou que, infelizmente, isso acaba não ocorrendo. "Existem pontos onde o solo é muito pobre e mesmo assim a floresta é derrubada para a retirada ilegal de madeira", denunciou.
Mônico acrescenta que o desmatamento também causa assoreamento. "Em Rondônia há lugares onde há mais água na superfície do solo do que embaixo. Quando a cobertura vegetal é retirada, a água migra, por causa da evaporação. Isso é preocupante. Como classificaríamos um lugar arenoso e ainda por cima com pouca água?"

OESP, 06/05/2004, p. A14

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.