VOLTAR

Desassistência à saúde causa a morte de nove indígenas do povo Pirahã

Cimi - www.cimi.com.br
25 de jun de 2008

Oito crianças e um adulto do povo Pirahã (Amazonas) morreram, de janeiro a junho deste ano, vitimados provavelmente pela malária. A falta de assistência à saúde das comunidades localizadas ao longo dos rios Maici e Ipixuna, no município de Humaitá (distante 450 Km de Manaus), tem sido apontada pelos indígenas como causa dos óbitos. A Prefeitura Municipal de Manicoré é responsável pelo atendimento àquelas aldeias.

"Ninguém sabe se a equipe não vai para a área por falta de recursos ou se esses recursos são desviados", indaga o indígena Júnior Tenharim. "A equipe não vai na área há muito tempo e, quando eles vão, fazem trabalho relâmpago: entram em um dia e saem no outro", reclama ele acrescentando que "sem a presença de profissionais de saúde, outras mortes poderão acontecer".

Os conselheiros do Conselho Distrital de Saúde Indígena encaminharam documento à coordenação regional da Funasa relatando que foram diagnosticados casos de malária, tuberculose, hanseníase, diarréias, desnutrição e outras doenças. Segundo eles, 14 indígenas morreram naquela região, somando os nove Pirahã e cinco de outros povos indígenas da localidade.

O coordenador regional da Funasa, Narciso Cardoso Barbosa, afirmou que tem conhecimento de que a região é endêmica de malária. "A Funasa está buscando estratégias para atuar de forma cooperada com a Superintendência Estadual de Saúde, a Fundação de Vigilância em Saúde e a prefeitura de Manicoré. A Funasa sozinha encontra dificuldades para atuar", disse ele, acrescentando que o atendimento é precário devido à dificuldade de acesso às aldeias".

Os Pirahã que vivem nesta região são indígenas de pouco contato, que somam 230 pessoas. As mortes ao longo deste ano afetaram 3,9% da população.

(Com informações de J. Rosha - Cimi Norte I)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.