VOLTAR

De olho no mercado asiático, uma rota para o Pacífico

Carta Capital (São Paulo - SP) - www.cartacapital.com.br
03 de nov de 2015

Dentre os 35 acordos firmados entre Brasil e China durante a visita do primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, ao Brasil em maio, o de maior magnitude é a Ferrovia Transoceânica.

Além da compra de 80% do banco brasileiro BBM pelo chinês Bank of Communications e acordos envolvendo 53 bilhões de reais, em áreas de planejamento estratégico, infraestrutura, transporte, agricultura, energia, mineração, ciência e tecnologia e comércio, o Brasil pode conseguir, através da China, realizar o sonho de ter uma porta de acesso ao Pacífico. Chamada de Ferrovia Transoceânica, Bioceânica ou mesmo Transcontinental, a estrada de ferro partiria do Porto do Açu, no estado do Rio de Janeiro, cruzando todo o País até desembocar nos portos peruanos.

O acordo envolvendo os três países está dentro do plano de cooperação Brasil-China até 2021 e tem custo estimado entre 4,5 bilhões e 10 bilhões de dólares. O projeto ambicioso da Transoceânica permitirá que o Brasil exporte via Oceano Pacífico soja e minério de ferro, dois dos seus principais produtos no comércio com a China.

Além de ser um alicerce importante na integração sul-americana, ao ligar a região centro-oeste ao Pacífico, a ferrovia é uma estratégia para o barateamento do frete e redução do tempo de escoamento de outros produtos brasileiros para exportação, como grãos e carne.

A ligação da capital de Rondônia ao Pacífico significa ainda aos produtores brasileiros uma alternativa ao escoamento via Atlântico e através do Canal do Panamá para o mercado chinês.

Considerada pela própria presidenta Dilma Rousseff como "estratégica para o Brasil", a ferrovia é também importante para a China, uma vez que o gigante asiático é um grande consumidor de matérias-primas brasileiras. Sob o projeto da ferrovia, Pequim pretende aumentar sua presença econômica no continente e facilitar o acesso às commodities da região sul-americana, ponto de interesse também para o Peru.

A ferrovia que pode chegar a 3,5 mil quilômetros começaria no norte da costa fluminense, atravessando a Floresta Amazônica e a Cordilheira dos Andes até terminar no litoral peruano banhado pelo Pacífico.

O projeto ganhou novo impulso com a visita de Li ao Brasil, Colômbia, Peru e Chile em maio, quando foram confirmados os estudos de viabilidade da conexão ferroviária entre o Atlântico e o Pacífico.

Mas a construção da estrada, que representaria um novo patamar nas relações China-Brasil, teria de superar grandes obstáculos não apenas em matéria de engenharia (ao passar pelos Andes, por exemplo), como também desafios ambientais e políticos. Pela provável rota que terá, é possível que a Ferrovia Transoceânica passe por locais próximos ou dentro de territórios indígenas e áreas de preservação ambiental.

De Rondônia até a cidade de Pucallpa, no Peru, há ao menos três reservas indígenas no Acre - a Terra Indígena Poyanawa, com 566 habitantes e duas aldeias; a Terra Indígena Jaminawa do Igarapé Preto, com 211 moradores e quatro aldeias das etnias jaminawá e jaminawá-arara; a Terra Indígena Nukini, com 672 habitantes e três aldeias -, além do Parque Nacional da Serra do Divisor, com mais de 846 mil hectares, 1.233 espécies animais, sendo algumas ameaçadas de extinção.

Os estudos finais sobre a viabilidade da Ferrovia Transoceânica só ficarão prontos em maio do ano que vem. Mas o governo brasileiro vem deixando cada vez mais claro que aposta no projeto.

No novo pacote de concessões, anunciado em 9 de junho, Dilma Rousseff ressaltou que o plano de privatizações de 198,4 bilhões de reais priorizará as ferrovias, que terão concessões no valor de 86,4 bilhões de reais.

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, ressaltou em 17 de junho que a extensão da malha ferroviária, passando por Mato Grosso (maior produtor de grãos), Rondônia e Acre até chegar ao Peru, é de fundamental importância para o Brasil e pode movimentar o equivalente a 40 bilhões de reais em investimentos.

http://www.cartacapital.com.br/especiais/infraestrutura/de-olho-no-merc…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.