VOLTAR

Criação de camarão e aeroporto eram ameaças

OESP, Vida, p. A12
17 de fev de 2010

Criação de camarão e aeroporto eram ameaças
Os dois parques reconhecidos pela Convenção de Ramsar sofreram recentemente ameaças de graves prejuízos ambientais.

A região do Parque Nacional Marinho de Abrolhos quase foi afetada pela criação de camarão, que prejudicaria os manguezais - onde os peixes se reproduzem - e causaria danos aos corais.

A Coopex, a Cooperativa de Criadores de Camarão do Extremo Sul da Bahia, pretendia instalar nos municípios de Caravelas e Nova Viçosa um empreendimento de carcinicultura de 1,5 mil hectares. Mas, depois da oposição de ambientalistas, o governo acabou cedendo e foi criada na região a Reserva Extrativista de Cassurubá - o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi até Caravelas no ano passado para fazer o anúncio, no Dia Mundial do Meio Ambiente.

"Certamente projetos como o de carcinicultura não têm mais a menor condição de serem feitos lá", diz Guilherme Dutra, da Conservação Internacional.

Agora, ele considera que é preciso melhorar a estrutura "precária" do parque. "Um funcionamento mínimo está ocorrendo. Mas é preciso aumentar o número de funcionários." Ele avalia que o parque precisa de pelo menos 8 funcionários contratados - o ideal, entretanto, seria ter 16. Futuramente, Dutra deseja que uma área maior na região de Abrolhos seja protegida.

Já o Parque Estadual do Rio Doce quase ganhou um vizinho indesejado: um aeroporto da siderúrgica Usiminas. Também após forte pressão de entidades ambientalistas, a empresa anunciou a transferência do projeto de construção do aeroporto no Vale do Aço mineiro da cidade de Bom Jesus do Galho para Belo Oriente. Entre os argumentos contrários à obra estava o fato de que o parque é uma das poucas reservas intactas de mata atlântica em Minas Gerais. O aeroporto prejudicaria também a fauna local, e poderiam acontecer acidentes com as aves.

OESP, 17/02/2010, Vida, p. A12

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.