VOLTAR

CPRH resgata pássaros e identifica desmatamentos na APA Aldeia-Beberib

Folha de Pernambuco - https://www.folhape.com.br/
22 de nov de 2017

CPRH resgata pássaros e identifica desmatamentos na APA Aldeia-Beberibe
Operação foi iniciada depois de 20 denúncias apontarem irregularidades na área

Sessenta e dois pássaros silvestres que eram criados ilegalmente em Aldeia, no município de Camaragibe, Região Metropolitana do Recife, foram resgatados nesta quarta-feira (22), por equipes da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH). Durante a operação também foi constatado, com ajuda de tecnologia, o desmatamento em três áreas, todas na Estrada de Aldeia.

As abordagens da CPRH foram fruto de 20 denúncias que chegaram até a instituição, nas últimas semanas sobre crimes ambientais em territórios compreendidos na Área de Proteção Ambiental (APA) Aldeia-Beberibe. O trabalho teve o apoio de agentes da Depoma (Polícia Civil) e da Cipoma (Polícia Militar).

Dos desmatamentos constatados na Estrada de Aldeia, dois foram identificados previamente por imagens de satélite, numa extensão de 1,5 hectare (juntos). O terceiro foi identificado durante o deslocamento das equipes, em área que foi georeferenciada, cujos dados ainda estão em análise. Os proprietários serão autuados pelo órgão ambiental por supressão de vegetação nativa da Mata Atlântica sem autorização.

Em relação aos pássaros, em alguns casos as espécies foram entregues voluntariamente aos agentes e, em outros, as gaiolas - muitas com alçapões armados para captura - foram encontradas presas a árvores. Os criadores não foram localizados. Todos os pássaros foram levados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da CPRH, onde serão reabilitados e, posteriormente, devolvidos à natureza. Entre as espécies, há canários, galos de campina, papa-capins, sibitos, curiós, concrizes e sabiás.

http://www.folhape.com.br/noticias/noticias/cotidiano/2017/11/22/NWS,49…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.