VOLTAR

Coronavírus: pisar na terra foi primeiro ato de irmãos quilombolas ao chegar do exterior

Estado de Minas Gerais
Autor: Ivan Drummond
24 de abr de 2020

Irmãos estavam na Argentina quando foram surpreendidos pela pandemia e viveram pesadelo para retornar ao Brasil

"Quando chegamos à comunidade, a primeira coisa que fizemos foi pisar descalço em nosso chão. Pois eu e minha irmã sentimos muito a falta da conexão física com minha fortaleza. Ao pisar aqui novamente, me senti renascendo. Sinto que foi mais uma etapa cumprida. Ainda existe um caminho difícil em toda a quarentena sem contato com minha comunidade, mas sei que é necessário para nossa proteção, sinto saudade de abraçar meu povo, mas poder ouvir suas vozes já é revigorante."

A frase é de Isac dos Santos Lopes, de 27 anos, que estava em Córdoba, na Argentina, junto com a irmã, Isaura, de 20. Eles foram para o país vizinho para estudar espanhol.

Mas foram surpreendidos com a crise do coronavírus e temeram ter de ficar por lá, por falta de apoio, o que só se resolveu na ultima sexta-feira (17), quando o consulado brasileiro local garantiu as passagens de ônibus ate Uruguaiana, no Rio Grande do Sul.

A viagem de Porto Alegre para Belo Horizonte, e depois para o Quilombo do Suaçuí, no limite das cidades de Coluna e Paulistas, foi arcada pelos irmãos quilombolas.

"Foi uma viagem longa, que começou no domingo à noite. Durou ate as 21h de quinta-feira", relatou Isac.

Agora, ele tem outra preocupação. "É encontrar formas, on-line, para ter uma ocupação. Vamos fazer a quarentena no Centro Comunitário do Quilombo, para onde viemos assim que chegamos. E já havia um jantar pronto pra gente. Quero buscar parceiros pra ajudar nossa comunidade nesse momento difícil".

https://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2020/04/24/interna_gerais,1141…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.