VOLTAR

Coronavírus: comunidades quilombolas em Minas reclamam de falta de apoio do governo

MG1 - Belo Horizonte
Autor: MG1 - Belo Horizonte
13 de mai de 2020

Moradores de comunidades quilombolas, em Minas, reclamam de falta de apoio durante a pandemia. A maioria das pessoas, que vivem nestes locais, trabalha como autônoma e está sofrendo com a falta de trabalho.

Comunidades quilombolas já são, historicamente, locais de resistência. Elas ão formadas por populações descendentes e remanescentes por escravizados fugitivos. As dificuldades ao longo dos anos, fez desta população um povo forte. Porém, se o isolamento social sempre foi uma realidade vivida por essas comunidades, esse distanciamento obrigatório imposto pela Covid-19, fez com que esses povoados se sentissem quase invisíveis.

No vale do Jequitinhonha, na comunidade Catitu do Meio, a dona Edite reclama da falta de assitência do estado neste momento de pandemia. Só pra se ter uma ideia, a água em algumas casas no Catitu do Meio, é suja e pode colocar a vida das pessoas em risco.

"Não temos recurso nenhum. As vezes não vem uma cesta, mas não chegou para todo mundo", afirma dona edite.

Queixa bem parecida com o Francisco, que não sabe o que fazer para sustentar os sete filhos.

"Eu não tenho salário nenhum e não podemos sair. Falta até comida para a gente", relatou Francisco.

De acordo com a Federação das Comunidades Quilombolas de Minas Gerais, o nosso estado tem cerca de 800 comunidades registradas. Boa parte delas é autossuficiente, porque produzem quase tudo que consomem. Porém, um quarto das comunidades quilombolas viram suas situações piorar depois da Covid-19.

"De imediato as comunidades precisam de produtos alimentícios e produtos de higiene", afirmou Jesus Araújo, presidente da Federação.

Na comunidade Chacrinha dos Pretos, que fica entre a Serra da Moeda e a dos Mascates, a cerca de 80 km de Belo Horizonte, o medo devido à falta de orientação, se junta a sensação de abandono por parte do governo, como relata Maria Aparecida Dias, representante da comunidade.

"Não recebemos uma cesta básica, um vale gás. Cadê os direitos dos quilombolas", afirmou a representante.

Desde 2003, já existe um decreto federal para regulamentação do procedimento para titulação territorial das comunidades quilombolas. Mas, em Minas Gerais, esse processo nunca aconteceu.

O que diz o Governo de Estadual
O Governo de Minas informou que prestou atendimento a 5 mil famílias de comunidades tradicionais do estado, distribuindo cestas básicas para povos quilombolas, indígenas, ciganos e circenses.

Ainda segundo o governo, estão sendo articuladas outras ações para atendimento integral de todas as famílias de povos tradicionais em situação de vulnerabilidade.

https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2020/05/13/coronavirus-com…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.