VOLTAR

Consumo consciente cresce no país

O Globo, Economia, p. 25
28 de mar de 2007

Consumo consciente cresce no país
Akatu: 41% dos consumidores já compraram pensando no meio ambiente

Fabiana Ribeiro

Um em cada três consumidores brasileiros percebe os impactos de suas decisões de consumo, aponta pesquisa do Instituto Akatu a que o GLOBO teve acesso e que será lançada hoje.

Segundo o levantamento, 41% dos consumidores já realizaram alguma compra considerando seus efeitos para o meio ambiente.

Essa mudança de comportamento está levando muitas empresas a apostarem em produtos ecologicamente corretos. Já não são raros os exemplos responsáveis que saem da indústria. A Bosch lançou recentemente uma linha de refrigeradores que não aumenta o efeito estufa. A Dell produz computadores que gastam menos energia. A HP deixou de usar chumbo em seus produtos. E a Suvinil produz tintas usando PETs.

Na avaliação de Rodrigo Vianna, da Ambient'Air, a preocupação dos consumidores com o meio ambiente é maior quando há impactos no bolso.

- Para se ter idéia, 80% dos aparelhos de ar condicionado vendidos oferecem redução de energia. A preocupação número um é o menor custo. Mas acredito que a tendência é de o consumidor pensar mais em questões ambientais.

Tem razão. Segundo o Akatu: quatro em cada dez brasileiros estão dispostos a pagar mais por produtos que não agridam o meio ambiente. Um cenário que já se vê na Ouro de Cor, em Ipanema. Na loja, mantas, roupas, bolsas e até brinquedos são feitos com um algodão que já nasce colorido, é livre de produtos químicos e não prejudica a natureza - resultado de pesquisa da Embrapa.

- Tudo é 100% natural, o que faz com que alguns itens sejam até 10% mais caros que seus similares. Afinal, a produção desse algodão é restrita. De qualquer maneira, já existem consumidores dispostos a pagar por essa diferença - disse, satisfeita, Kassia Cavalcante, sócia da loja.

O Globo, 28/03/2007, Economia, p. 25

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.