VOLTAR

Consulta Pública discute criação de Unidade de Conservação no Mirante de Chapada

Governo de Mato Grosso - http://www.mt.gov.br
Autor: Renata Prata
18 de dez de 2018

Consulta Pública discute criação de Unidade de Conservação no Mirante de Chapada
18/12/2018

Renata Prata | Sema-MT

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) realizou uma consulta pública para criação da "Unidade de Conservação Monumento Natural Mirante de Chapada dos Guimarães", na última sexta-feira (14.12). Empresários, representantes de conselhos de meio ambiente, servidores da Sema e da prefeitura de Várzea Grande e população em geral debateram o tema.

O Superintendente de Biodiversidade da Sema, Elton Silveira, que abriu a Consulta Pública, destacou que o local é de grande interesse turístico e científico. "O processo de criação será muito transparente e atuará com um conselho comunitário. O uso público será todo regulamentado e a Sema irá buscar mecanismos para promover uso ordenado da unidade de acordo com estudos elaborados ".

Durante o debate, o professor Prudêncio Rodrigues de Castro Júnior, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), apresentou Medidas Preventivas e Corretivas voltadas ao Controle dos Processos Erosivos no Mirante de Chapada dos Guimarães. Prudêncio lembrou que a área do Centro Geodésico da América do Sul, onde será criada a Unidade de Conservação, é uma área de beleza espetacular mas com processo de erosão causado pelo pisoteio. "É um dos locais com maior número de visitantes do estado, o que tornam necessários os estudos e aplicações das medidas".

Entre as medidas apresentadas estão: Lombadas de Terra para Contenção do Escoamento Controlado das Águas Pluviais; Barramentos Drenantes Sucessivos de Pedra Canga Rejuntada; Caixas de Dissipação (Fervedor); Barreiras de Contenção; Trilha Suspensa; Revegetação das Áreas com Solo Exposto; Implantação de Estacionamento.

Após as explicações do professor Prudêncio, o debate foi aberto para perguntas e dúvidas da população. As principais dúvidas e sugestões foram relacionadas com o incremento do turismo, a regulamentação da área e a construção de uma passarela local.

Além de Elton Silveira, compuseram o dispositivo de abertura a chefe de gabinete da prefeitura de Chapada dos Guimarães, Izabel Cristina Masson, secretário adjunto de Turismo de mato Grosso, Jaime Okamura, que no ato representou o governador Pedro Taques e Cintia Maria Brazão, chefe do Parque Nacional da Chapada dos Guimarães.

Estudos Técnicos

Os estudos técnicos foram disponibilizados por meio da Coordenadoria de Unidades de Conservação (CUCO), com apoio da prefeitura de Chapada dos Guimarães, no site da Sema para que a população pudesse acessar, debater, tirar dúvidas e dar sugestões sobre a criação da "Unidade de Conservação Monumento Natural Mirante de Chapada dos Guimarães" antes da realização da Consulta Pública.

Os documentos contemplaram os objetivos de conservação da categoria de proteção integral, garantindo a conservação "in sito" dos recursos naturais e manejo para a restauração de ecossistemas naturais e seminaturais.

Desde janeiro de 2018, o Governo do Estado de Mato Grosso conduz o processo de criação da unidade de conservação. O projeto prevê uma área de 43 hectares, atendendo as recomendações legais da Lei Estadual no 9.502 de 14 de janeiro de 2011, da Lei no. 9.985 de julho de 2000 e demais normativas.

A Unidade de Conservação Monumento Natural Estadual representa um importante passo para a conservação da biodiversidade em sítios raros que despertam o interesse geológico e pela sua beleza cênica. No mirante em Chapada dos Guimarães, o observador se encanta com as escarpas de arenito vermelho que formam a moldura para o mirante onde é possível observar paisagens longínquas do planalto mato-grossense. Nessas áreas, é permitido o uso indireto dos recursos naturais como a educação ambiental e o turismo.

http://www.mt.gov.br/-/10988926-consulta-publica-discute-criacao-de-uni…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.