VOLTAR

Considerada rara, maior águia brasileira é avistada em parque no RS

G1 - http://g1.globo.com/
25 de Mar de 2015

Fêmea adulta da espécie harpia foi fotografada pelo gestor da reserva.
Ave pode chegar a 10 quilos e superar dois metros de envergadura.

Considerada extinta no Rio Grande do Sul, com raras aparições nas últimas décadas, um exemplar da maior e mais forte águia do Brasil foi visto sobrevoando o Parque Estadual do Turvo, no município de Derrubadas, no Noroeste do estado. Uma harpia fêmea adulta foi fotografada pelo gestor do parque, o biólogo e pesquisador Dante Meller.

A ave, que pode pesar até 10 quilos e alcançar uma envergadura superior a dois metros, é um atestado da preservação do parque, diz o biólogo. "Ontem eu tive a surpresa mais grata de todas no parque ao encontrar a harpia. É uma lacuna que estava para ser preenchida, essa imagem da harpia, porque é um animal de topo de cadeia [alimentar] ainda mais exigente que a onça-pintada. Tem que ser uma floresta muito boa para ter harpia, e o Turvo demonstrou que suporta a presença da harpia, que a harpia voa nessa floresta", afirmou Dante.

Segundo o biólogo, essa espécie de águia pode parecer tranquila quando pousada, mas ao se lançar em voo revela a força de suas asas, com batidas poderosas. Além disso, seu enorme tamanho não a impede de realizar manobras rápidas entre as copas das árvores, onde surpreende suas caças como macacos e outros mamíferos arborícolas. Ela possui patas grandes e garras com cerca de oito centímetros.

Também conhecida como gavião-real, a harpia teve presença registrada em quase todos os estados brasileiros, mas tem se tornado cada vez mais rara em função das pressões de perda de habitat, caça e pelo fato de só ter em média somente dois filhotes a cada cinco anos. Atualmente, os exemplares remanescentes se encontram em florestas como a Amazonia ou em áreas protegidas, como o Parque Estadual do Turvo.

http://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2015/03/considerada-ra…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.