VOLTAR

Comunidades do Antimary falam sobre melhorias na floresta

agazeta-acre.com.br
30 de abr de 2004

O mercado de produtos madeireiros no Acre, monitoramento da fauna e selo de certificação pelo sistema FSC foram alguns dos temas debatidos ontem, durante o Seminário Internacional sobre a Floresta Estadual do Antimary (FEA). O evento encerra hoje, com visitas de campo ao projeto e indústrias madeireiras.
O encontro tem por objetivo, segundo o diretor presidente da Funtac, César Doto, apresentar a experiência da FEA, o chamado projeto PD94/90, e os principais resultados obtidos. "A meta do projeto é incentivar e promover o desenvolvimento das florestas amazônicas, com uma política do uso integrado da terra, garantindo a produção sustentada e o uso racional da floresta, o resultado que buscamos é a melhoria da qualidade de vida da população tradicional", explicou Doto.
O Seminário Internacional Manejo Sustentável na Amazônia Brasileira está sendo realizado pelo governo do Estado, através da Fundação de Tecnologia do Estado do Acre (Funtac), em parceria com o International Tropical Timber Organization (ITTO). "O projeto veio em boa hora para a comunidade da floresta. Antes nós sofríamos com relação à saúde, educação e economia. Hoje nós estamos organizados em asso-ciações, temos uma cooperativa que fez com que nosso lucro aumentasse e estamos cada vez mais utilizando todos os recursos que a floresta nos oferece, sempre com a preocupação de conservar o meio ambiente", comentou o presidente da Associação dos Seringueiros da Floresta Estadual do Antimary, Francisco Soares.
Missão da ITTO
A ITTO é uma instituição que reúne as nações com interesse no comércio de madeiras, no manejo e conservação das florestas tropicais, atualmente composta por sessenta países produtores e consumidores de madeiras tropicais. A Organização tem como tarefa fomentar a produção e o comércio das madeiras tropicais, contribuindo para o desenvolvimento dos países tropicais, assegurando a conservação de suas florestas. (T.C.)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.