VOLTAR

Comeca socorro as vitimas da seca no AM

OESP, Nacional, p.A21
15 de out de 2005

Começa socorro às vítimas da seca no AM
Ao todo, governo enviará 8,5 toneladas de remédios e 122 mil cestas básicas
Liège Albuquerque
O governo do Amazonas começou ontem a enviar ajuda de emergência para os municípios mais castigados pela seca na região: Anori, Anamã, Caapiranga e Manaquiri. A primeira medida foi a liberação de 8,5 toneladas de medicamentos e 122 mil cestas básicas. Os remédios, a água e as cestas prometidos pela União ainda não chegaram.
De acordo com o governador Eduardo Braga (PMDB), também seguirão remessas para Manacapuru, Iranduba, Careiro da Várzea e Careiro Castanho. Na terça-feira, será a vez de municípios mais distantes, como Atalaia do Norte, Benjamim Constant, Tabatinga e São Paulo de Olivença. "O governo federal já liberou R$ 1 milhão às Forças Armadas, para o combustível das aeronaves", disse.
Nos últimos quatro dias, uma equipe definiu a logística de entrega dos materiais, dada a dificuldade ou impossibilidade de acesso em alguns locais.
Para Anamã e Anori, por exemplo, os mantimentos vão em balsas até a sede e seguem para as comunidades em helicópteros ou pequenos barcos. Para Caapiranga e Manacapuru, os suprimentos de emergência seguirão em balsas, depois em caminhão e, por fim, em helicópteros.
Devem chegar neste fim de semana os 270 mil frascos de hipoclorito de sódio prometidos pelo governo federal, além de 28 kits de medicamentos, com cerca de 100 quilos cada. "Estamos com cronograma até pelo menos 25 de outubro, quando deve chover, mudando a paisagem do Estado, com os rios voltando a encher", destacou o governador.
DOENÇAS
Segundo o secretário estadual de Governo, José Melo, que coordena as operações, batizadas de SOS Interior, nos kits de medicamentos estão sendo enviados aparelhos de inalação, para ajudar a combater doenças respiratórias causadas pela seca.
Há riscos de outras doenças, segundo ele, como diarréia e cólera. A partir de hoje, pelo menos 500 policiais militares, bombeiros e oficiais do Exército vão a alguns municípios para abrir poços e evitar que a população continue bebendo a água lamacenta dos rios.

Sipam registra chuvas de manhã no oeste do Estado
BOLETIM: Começou a chover ontem de manhã no oeste do Amazonas, segundo boletim meteorológico do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) divulgado ontem. Segundo o boletim, nos 13 primeiros dias de outubro, contudo, só choveu 50% do esperado para este período, em relação ao ano passado. A coordenadora do Departamento de Meteorologia do Sipam, Jaci Saraiva, explicou que para mudar o quadro de estiagem será preciso pelo menos um mês de chuvas intensas nas cabeceiras dos rios. Os municípios mais atingidos pela seca estão no norte e no leste do Amazonas. O Sipam (www.sipam.gov.br) monitora toda a Amazônia com uma rede de radares e estações meteorológicas.

OESP, 15/10/2005, p. A21

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.