VOLTAR

Começa semana de matrícula para 250 vestibulandos indígenas

Radiobrás
Autor: Thaís Brianezi
10 de jul de 2006

Manaus - Nesta semana os 250 vestibulandos indígenas aprovados na seleção para o Curso de Licenciatura Plena para Professores Indígenas deverão fazer matrícula, para iniciarem as aulas na próxima segunda-feira (17). Participaram do vestibular, no último dia 24, 500 candidatos da mesorregião do Alto Solimões (na fronteira do Brasil com Peru e Colômbia).

A previsão da Universidade Estadual do Amazonas é que o resultado do vestibular seja conhecido hoje (10) ou amanhã. Estamos aguardando apenas o envio da correção das provas em língua Ticuna, que foram mandadas para o Rio de Janeiro, para a professora Marília Pacó [lingüista que codificou o idioma, antes exclusivamente oral]”, disse à Radiobrás a coordenadora do projeto, Márcia Montenegro.

Todos os candidatos se submeteram a uma prova dissertativa em língua Portuguesa, mas apenas os pertencentes ao povo Ticuna escreveram também uma redação no idioma indígena. Das 250 vagas, 230 são reservadas para os ticunas e 20 para as demais etnias presentes na área (como Cocama, Cambeba e Caixana).

A lista com os nomes dos aprovados será divulgada pela Organização Geral dos Professores Ticuna Bilíngües (OGPTB), parceira da universidade no projeto, e poderá ser consultada na página da entidade (www.ogptb.org.br) ou pelo telefone (97) 3415-5535.

As aulas devem começar no próximo dia 17 irão até o dia 5 de agosto, com o curso inicial de Educação, Direito e Antropologia”, e serão sempre em módulos, durante as férias escolares, porque a maior parte dos vestibulandos já está lecionando nas aldeias. Serão oferecidas três habilitações: Estudo de Linguagem (que engloba Português, a Língua Indígena, Espanhol, Literatura, Artes e Educação Física); Ciências da Natureza e Matemática (Biologia, Física, Química e Matemática) e Ciências Humanas (História, Geografia, Antropologia, Sociologia e Filosofia).

A OGPTB foi criada em 1986 e hoje reúne cerca de 500 professores que atuam em escolas de 1ª a 4ª séries. Com a formação em Ensino Superior, esses professores indígenas poderão assumir também as turmas de 5ª à 8ª séries, além do Ensino Médio. Segundo dados da própria entidade, existem no país cerca de 50 mil ticunas, concentrados às margens do Solimões e seus afluentes. Em 2004, havia no Alto Solimões 14,36 mil estudantes indígenas.

A Licenciatura Plena para Professores Indígenas é financiada com recursos do Programa de Apoio à Implantação e Desenvolvimento de Cursos de Licenciatura para Formação de Professores Indígenas (Prolind) do Ministério da Educação. O projeto foi selecionado no ano passado, no mesmo edital em que venceu também a iniciativa da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) de elaborar uma proposta de educação superior para os professores Mura (que vivem no município de Autazes).

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.