VOLTAR

Colheita na aldeia

globo rural
03 de abr de 2007

Começou a colheita de arroz nas lavouras dos índios boróros, em Mato Grosso. Nesta safra, com a ajuda da assistência técnica, a produtividade foi maior. A receita do arroz é de dona Joselina, que tem dez filhos. Já a receita da fartura na reserva Tatarinama, a 250 quilômetros de Cuiabá, é de toda a tribo. "Cada um tocava o seu pedaço de roça. Agora, hoje não: hoje nós trabalhamos com grupo", conta o índio Ricardo Butori. Trabalho que começa cedo. De caminhão ou a pé,
homens para um lado, mulheres e crianças para outro. Rapidamente, 80 famílias se esparramam pela lavoura.

Com a ajuda de técnicos e máquinas do Município de Rondonópolis foi possível reaproveitar áreas já desmatadas e aumentar a produtividade, tornando a tradição agrícola destes índios mais eficiente. "Isso os está ajudando a
reforçar a auto-estima, a vontade de ser índio, o orgulho dessa terra. Esse era o objetivo principal" avalia Adão Garai, secretário da Agricultura de Rondonópolis. São duas semanas de trabalho dobrado que
vão garantir despensa cheia o ano inteiro nas aldeias. Já a importância cultural da colheita coletiva é ainda maior: vale a vida das futuras gerações dos boróros.

Nesse período as aulas são no campo, onde a professora ensina os menores a colher com as mãos, como faziam os antepassados. "Minha mãe aprendeu com mãe dela e eu aprendi com ela. Aí isso eu estou passando para minha menina", diz a índia boróro Edna Panatoguildo. No fim da tarde todos saem com os baquités cheios. O trabalho continua em casa com muita satisfação. Graças ao esforço coletivo, na aldeia Tatarinama ninguém mais lembra o que é desnutrição. "Dorme tranqüilo, dormindo e pensando que tem um arroz
para as crianças comerem", fala a índia boróro Jaqueline Aroediaiparinda. Além dos 35 hectares ocupados com arroz, os boróros também cultivam milho, feijão, cana e banana.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.