VOLTAR

A Casa Xinguana - Casas do Brasil 2008

Museu da Casa Brasileira - www.mcb.sp.gov.br
23 de jul de 2008

Com fotos de Milton Guran, a mostra apresenta a habitação tradicional dos povos indígenas do Parque Nacional do Xingu, sua arquitetura, uso cotidiano, função social e dimensão simbólica.

Clicadas pelo fotógrafo e antropólogo em diversas estadas entre 1978 e 1984, as imagens constituem importante documentação, pois apresentam aspectos tradicionais xinguanos, especialmente das aldeias Kamayurá e Kuikuro, em práticas anteriores a uma maior aproximação com a cultura nacional. Tomam a casa como referência em diversos rituais, como o Quarup e o Jogo do Javari, relatando a contribuição na formação da diversidade brasileira.

Algumas imagens remontam há quase 30 anos, como é o caso da documentação de um casamento tradicional Kuikuro em torno do qual se constrói a exposição. Embora a cerimônia de casamento seja bastante freqüente, e continue a mesma que há 30 anos, esta é a única documentação fotográfica conhecida do ritual completo.

Terceira edição de Casas do Brasil, projeto implantado pelo MCB em 2006, que tem por objetivo criar um inventário das diversas formas de morar no Brasil, a exposição tem textos de Carlos Fausto. Antropólogo dedicado ao estudo dos Kamayurá, apresenta na mostra a dimensão histórica da ocupação do território brasileiro pré-descobrimento, cuja organização espacial é praticada até os dias de hoje no Alto Xingu.

No Brasil se encontram as últimas fronteiras intocadas da diversidade humana representadas por diversos grupos indígenas da região amazônica, alguns poucos ainda isolados da sociedade nacional. Esses grupos fazem parte de um conjunto de cerca de 200 diferentes povos indígenas que, em diversos graus de integração com a sociedade nacional, participam ativamente do processo de construção da identidade brasileira como nação. Na mostra, que tem patrocínio da Kostal Eletromecânica, esta diversidade cultural é vista e apresentada como patrimônio maior do povo brasileiro.

Curadoria: Milton Guran
Abertura: 26 de julho, sábado, das 11 às 13h
Visitação: de 26/7 a 14/9
voltar

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.