VOLTAR

Cartório garante que as áreas institucionais foram excluídas

Folha de Boa Vista-RR
01 de fev de 2002

O oficial titular do Cartório de Registro de Imóveis de Boa Vista, Nerli de Faria Albernaz, disse que para transferir as terras da União para o Estado exigiu que o Iteraima excluísse as glebas pertencentes ao Ibama, Funai, e Exército.

"Não sou louco de transferir áreas sem ter sido feita a exclusão e às áreas que estão em litígio não serão expedidos títulos definitivos", disse ao se referir à maloca do Anaro, localizada na região do Amajari.

Albernaz mostrou à Folha todos ofícios enviados ao Iteraima pelo Ibama, Funai e Exército, apresentando o memorial descritivo das glebas remanescentes excluídas que pertencem a cada órgão.

"Se o Iteraima fez um novo memorial descritivo, a lógica é que ele excluiria essas áreas", disse, ao informar que o levantamento do Incra não foi preciso porque ele já tem as matrículas no cartório.

O ofício da Funai enumera 24 áreas, sendo elas a Raposa/Serra do Sol, Ouro, Serra da Moça e Truaru, Ponta da Serra, Juracy e Urucui, Jacamim, Santa Inês, Raimundão, Pium, Sucuba, Barata e Livramento, Mangueira, Anta, Boqueirão, Truaru, Malacacheta, Muriru, Jaboti, Canauanim, Manoá e Pium, Bom Jesus, Moskow, Tabalascada, Aningal, Araçá e Cajueiro.

O Ibama também apresentou todas as reservas e parques naturais que são de sua responsabilidade. No ofício encaminhado pelo Exército constam 23 áreas ocupadas no Estado.

Veja na tabela abaixo a quantidade de áreas primitivas e as que serão transferidas no cartório de imóveis de Boa Vista após resolver o impasse:

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.