VOLTAR

Candidatos no arco do desmatamento

O Eco - www.oeco.com.br
Autor: Andreia Fanzeres
30 de set de 2008

Esta é uma semana crucial para quem pretende se eleger prefeito ou vereador no Brasil. Certos temas são espinhosos para todos, mas precisam ser discutidos para que a população decida seu voto. Em municípios no chamado Arco do Desmatamento (imagem ao lado) não é diferente. E nessa região, onde se concentram as derrubadas de floresta, não dá para fazer campanha sem falar em meio ambiente, pelo bem de sua perpetuação ou pelo mal que fazem políticas pela devastação.

Ao longo da semana passada, O Eco fez uma série de perguntas aos três candidatos à Prefeitura de Juína, no noroeste do Mato Grosso. O município está listado entre os 36 que mais destroem a Amazônia, de acordo com o governo federal. E se tornou mais conhecido nacionalmente depois que fazendeiros e lideranças locais expulsaram ambientalistas da cidade, em agosto do ano passado.

Altir Peruzzo (PT), Genésio Boer (PTB) e Mano da Jumbo (PDT) responderam questões sobre fiscalização ambiental, extração de diamantes, aumento de áreas protegidas no município, expansão de projetos hidrelétricos no Rio Juruena e Agenda 21 municipal. Ouça o que disseram os candidatos.

1 - Ampliação da Terra Indígena Enawenê Nawê
A proposta prevê acrescentar à terra indígena, de 742 mil hectares, mais 200 mil hectares da região conhecida como Gleba Rio Preto, freqüentada pelos índios para realização de rituais. O local é considerado último remanescente florestal fora de áreas protegidas no município e responsável pelos maiores desmatamentos ilegais de Juína, segundo a lista de embargos do Ibama.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

2 - Utilização da verba do ICMS Ecológico arrecadada pelo município
Números do governo estadual apontam que Juína arrecada quase R$ 2 milhões por ano com o imposto, em função da existência de terras indígenas e unidade de conservação em mais de 60% de seu território.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

3 - Apoio municipal às atividades de fiscalização dos governos estadual e federal.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

4 - Atitude do município sobre a circulação de caminhões carregados com toras em situação irregular.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

5 - Opinião sobre a hipotética instalação de uma base da Polícia Federal e de um escritório do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

6 - Propostas para regularização da exploração de diamantes em Juína.
A cidade é responsável por pelo menos 80% dos diamantes extraídos de Mato Grosso. Por causa dessa produção, o estado lidera as exportações da pedra preciosa.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

7 - Atitude da prefeitura sobre o problema das queimadas em áreas urbanas e rurais.
Juína arde todos os anos com incêndios na área rural (pastagens e florestas) e parte da população tem o antigo hábito de incendiar folhas secas na época da estiagem, provocando nuvem de fumaça e doenças respiratórias.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

8 - Planos para a secretaria municipal de meio ambiente.
Hoje a pasta divide o mesmo espaço com as áreas de Agricultura e de Mineração. Em pleno Arco do Desmatamento, não tem orçamento definido e conta com no máximo três funcionários.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

9 - Papel do Conselho Municipal de Meio Ambiente na gestão pública do município.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

10 - Implementação de uma Agenda 21 local.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

11 - Incentivos ao turismo ecológico no município.
Embora tenha vegetação original amazônica e nascentes de rios importantes, o único atrativo de ecoturismo é a promoção de um festival de pesca à beira do Rio Juruena.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

12 - Expansão de projetos hidrelétricos para os rios da região noroeste de Mato Grosso, especialmente o Juruena.
Genésio Bôer Altir Peruzzo Mano da Jumbo

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.