VOLTAR

Caminhão da Funasa que levava cestas básicas a índios é incendiado em MT

O Globo - http://oglobo.globo.com/
Autor: Cleide Carvalho
28 de dez de 2012

Desocupação de terra indígena ainda enfrenta resistência

SÃO PAULO - As forças federais ainda encontram resistência na retirada de não índios da Terra Indígena Marãiwatsédé, no Mato Grosso. Nesta sexta-feira, um caminhão da Funasa que levava cestas básicas para uma aldeia indígena teve a carga roubada e foi incendiado ao tentar passar pelo distrito de Posto da Mata, onde ainda há focos de resistência.

Segundo a Fundação Nacional do Índio (Funai), algumas pessoas seguem incitando agressões a famílias de posseiros que tentam deixar a área e querem retirar seus pertences. Na maioria das vezes, recebem ameaças de que seus caminhões de mudança serão queimados no trajeto, o que exige apoio das forças policiais. Também continuam sendo feitos bloqueios na BR-158 e na MT-240, que liga Água Boa a Nova Nazaré. Foram identificados entre os agressores pessoas com passagens pela polícia e prisão por homicídio, assalto a bancos, tráfico de drogas, sequestro e assalto à mão armada.

Desde o início da operação, foram vistoriadas 83 fazendas, das quais 46 já estão em posse da Funai. Devido à dificuldade de acesso, alguns mandados exigem o uso de aeronaves para serem cumpridos. Entre os dias 20 e 27 foram vistoriadas 30 fazendas, das quais 16 estavam desocupadas.

Pequenos agricultores que viviam dentro das terras indígenas estão sendo incluídos em programas de reforma agrária ou assentamentos semiurbanos. No total, 201 famílias foram cadastradas, das quais 92 têm perfil para reforma agrária. Além disso, está sendo implantado um assentamento semiurbano em Alto Boa Vista, que receberá cerca de 300 famílias moradoras de Posto da Mata.

http://oglobo.globo.com/pais/caminhao-da-funasa-que-levava-cestas-basic…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.