VOLTAR

Caiapós libertam chefe de núcleo da Setran

Diário do Pará - http://migre.me/61jF
27 de ago de 2009

Os índios Caiapós libertaram nesta quinta feira o chefe do núcleo regional da Setran, Valter Peixoto, feito refém dos índios na ultima terça-feira, em Redenção. As informações são do colunista do Diário do Pará Hiroshi Bogéa publicadas na manhã desta quinta- feira (27) no blog.

As negociações realizadas na sede da OAB local foram conduzidas pelo secretário Valdir Ganzer, caciques de aldeias indígenas da região e os prefeitos de Redenção e Cumaru. Ademir Martins, ex-gerente do Ibama no Sul do Pará, também participou das conversações.

O prefeito de Cumaru, Vilmar Farias Valmin, falando com o blog pelo celular, disse que Ganzer só iniciou a reunião quando os índios apresentaram o funcionário do Estado, exigência feita pelo titular da Setran, diante de representantes dos Caiapós, FUNAI, empresários e lideranças da região.

A secretaria Estadual de Transportes dará inicio às obras da Pa-287, com 80 Km, e recuperação da vicinal de acesso à aldeia Gorotire, localizada em Cumaru, com mais de 50 quilômetros de extensão.

Índios mantiveram superintendente refém por dois dias

Ganzer exigiu a presença do chefe do núcleo regional da Setran, Valter Peixoto, que foi feito refém dos índios na última terça-feira. Ele havia viajado com a esposa, Maria Neuza Alves Rodrigues, para a região a fim de negociar o início das obras de recuperação da rodovia com apoio da prefeitura, empresários e madeireiros, dentro do programa "Caminhos da Parceria".

Valter Peixoto foi detido pelos índios ao tentar negociar a desocupação da rodovia federal BR-158, que liga o Pará ao Estado do Mato Grosso.

O trecho foi bloqueado a 18 km de Redenção e foi interditado por volta das 3h de terça-feira (25) por moradores do município de Cumaru do Norte. Cerca de 400 pessoas fazem parte do movimento.

Na pauta de reivindicações, a reforma do trecho sem asfalto da PA-287, que tem início na BR-158 e vai até a cidade de Cumaru do Norte, e a melhoria e ampliação nos serviços de energia elétrica, telefonia fixa e segurança pública.

Segundo uma das coordenadoras do movimento, Maria Borges, no período das chuvas o município de Cumaru fica praticamente isolado devido aos atoleiros e no verão o tráfego fica difícil, devido à grande quantidade de buracos. Por conta disso, ela diz que a população contabiliza inúmeros prejuízos e enfrenta muitos transtornos, pois muitos são obrigados a dormir na estrada. Donos de fazendas localizadas na PA-287 também participam do movimento. (Diário Online, com informações do Diário do Pará)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.