VOLTAR

Brasiléia cresce e também fica melhor para se viver

Página 20
Autor: Romerito Aquino
19 de jan de 2008

Cerca de 320 cidadãos de Brasiléia jamais imaginaram que seus filhos menores de até seis anos de idade iriam um dia freqüentar uma escola infantil novinha em folha, bonita, moderna, toda equipada, com bons professores e dispondo, inclusive, de atendimento odontológico e psicológico. Isso tudo é o que oferece a Escola Infantil Menino Jesus, que a prefeitura do município inaugurou em julho do ano passado para oferecer o que há de mais moderno e capaz em termos de ensino infantil.

O que a nova escola infantil de Brasiléia apresenta em termos de modernidade, qualidade, beleza e limpeza é o que não tem faltado nas muitas ações e obras realizadas nos últimos três anos pela administração da jovem prefeita Leila Galvão. Quem anda por qualquer lugar de Brasiléia ou percorre o seu meio rural, logo percebe que tudo vem mudando para melhor naquele município. Uma mudança, aliás, bem ao estilo do que faz há nove anos no Acre, como um todo, a atual administração estadual: bem pensada, planejada, organizada e visando sempre atender a maioria de sua população.

Entrando em Brasiléia, cidade de pouco mais de 17 mil habitantes, a 230 km de Rio Branco, o que se vê hoje são ruas pavimentadas ou tijoladas, sempre limpas e com trânsito de veículos e pedestres bem mais ordenado do que o da maioria das cidades brasileiras. Indo mais adiante, até mesmo nos chamados bairros periféricos, o que também se constata são praças e outros logradouros públicos limpos, conservados e de qualidade, dando a impressão de que quem cuida da cidade tem bom gosto e sabe o que a população quer.

"É preciso ter no coração a vontade de ver o nosso município crescer para assim concretizarmos o sonho de uma Brasiléia cada vez melhor", foi o que disse a prefeita Leila Galvão, ao abrir a terceira reunião anual de planejamento estratégico e sustentável que ela estava realizando, num pequeno clube na saída da cidade, com toda a sua equipe de secretários e assessores diretos. O novo planejamento da prefeitura estava sendo realizado no início de dezembro passado, data em que a reportagem do Página 20 esteve no município para conferir o que ele apresenta de novidade em termos de administração pública.

De posse de dados e números de obras e ações feitas pela prefeitura, fomos verificar junto com a prefeita Leila e o ex-deputado federal Zico Bronzeado, que priorizou o seu município com verbas das emendas ao orçamento da União, o que a atual administração pública fez de novo em Brasiléia. Percorrendo de carro o centro e a maioria de seus bairros, a reportagem pôde constatar que a cidade da fronteira com Cobija, na Bolívia, avançou consideravelmente em termos de infra-estrutura urbana, além de melhorar muito em áreas como educação, saúde, saneamento básico, equipamentos de utilidade pública e no setor produtivo.

O que primeiro a prefeita quis mostrar foram as obras de esgotamento sanitário e abastecimento de água que estão sendo executadas nos bairros periféricos, atitude que poucos políticos gostam de fazer por se tratar de obras que ficam embaixo da terra e não costumam render votos. "Isso aqui é fundamental porque representa saúde para a população e redução de gastos com atendimento médico e hospitalar", disse Leila, apontado para os canos de esgoto e de abastecimento de água potável das residências.

Nos três anos de sua administração, Leila Galvão diz que procurou investir em obras e ações que levassem em conta as necessidades mais urgentes da população urbana e rural. Em parceria com o governo do estado e o governo federal, além do apoio político forte da bancada parlamentar do estado, liderada pelo senador Tião Viana (PT), vice-presidente do Senado, a prefeitura investiu prioritariamente em limpeza pública, na construção e reforma de várias escolas e postos de saúde, na implantação do Programa Luz para Todos e na construção de mercado e de feira livre para a comercialização de produtos agrícolas. Além disso, construiu casas populares para 17 famílias em situação de risco e uma estação de tratamento de água para as 100 famílias de agricultores do Km 26 da BR-317.

Os investimentos, que devem prosseguir este ano, também se concentram na ampliação do ensino fundamental de 5ª a 8ª séries e do ensino médio na zona rural, no transporte de ribeirinhos e de seus produtos, na pavimentação de ruas, na abertura e recuperação de ramais agrícolas e em fábrica de gelo para pescadores, além de atividades socioculturais que agregam valor ao desenvolvimento do turismo e promovem o crescimento da economia do município. Em seu planejamento estratégico, a prefeitura tem sempre levado em conta o fato de Brasiléia estar situada na rota da Rodovia do Pacífico, que deve ser toda pavimentada até o final do próximo ano, trazendo, a partir de Lima e de Cusco, no Peru, turistas do mundo inteiro ávidos por conhecerem e desfrutarem das riquezas naturais da floresta amazônica.

Muitas obras e ações na cidade e no meio rural

Formada em Letras pela Ufac e com a experiência de dois mandatos de vereadora e um de vice-prefeita na gestão anterior, Leila Galvão, 37 anos, casada e filha de ex-agricultor e comerciante, segue mostrando as obras que ela classifica como seu "dever de realizar" em favor da população de Brasiléia. Na cidade, de janeiro de 2005 a dezembro passado, a prefeitura abriu e empiçarrou 11 quilômetros de novas ruas, pavimentou outros sete quilômetros, promoveu operação tapa-buraco em 19 ruas e iluminou outras 23.

No meio rural, nos últimos três anos, a prefeitura recuperou mais de mil quilômetros de ramais e beneficiou quase seis mil trabalhadores rurais com a construção de açudes, a distribuição de sementes e o escoamento da produção. O transporte de passageiros da zona rural para a cidade chegou a beneficiar sozinho, entre 2005 e 2007, mais de 12 mil agricultores e seringueiros da região.

Também nos últimos três anos, a prefeita Leila Galvão construiu novas e revitalizou antigas praças, recuperou prédios públicos, pagou em dia os servidores e reformou o cemitério, o Ginásio de Esportes e a ponte metálica que dá acesso à cidade a partir da vizinha Epitaciolândia, além de ter construído uma creche moderna e um centro de difusão tecnológica. Outra grande conquista de Brasiléia foi a construção da confortável e agradável Pousada Ecológica Brasília, um dos locais mais procurados pelos turistas nas épocas dos festejos do município, particularmente no carnaval fora de época, que já se tornou tradicional no estado, lotando anualmente Brasiléia de milhares de foliões de Rio Branco e de outros municípios.

Em fevereiro, a economia de Brasiléia começa a dar um salto significativo com a entrada em produção do frigorífico de frangos com capacidade para abater até 10 mil aves por dia, que está sendo construído pela prefeitura em parceria com o governo do estado. Essa fábrica vai se somar ao crescimento econômico e social que a população do município, particularmente os seringueiros da reserva Extrativista Chico Mendes, começa a desfrutar com a produção das fábricas de preservativos e de tacos e decks, também construídas pelo governo do estado no vizinho município de Xapuri.

Nas áreas de educação, saúde e de assistência social, o desempenho da prefeita Leila Galvão também merece destaque entre as administrações municipais de maior sucesso no estado. Investindo sempre na capacitação de servidores através de palestras, seminários e conferências, a prefeitura construiu 23 escolas e reformou outras 17 para atender quase 3 mil e 700 alunos, tanto da zona urbana quanto do meio rural. Além disso, ampliou a merenda e o transporte escolar, particularmente no meio rural, e as ações de ensino educativo através das Telesalas, Educação de Jovens e Adultos (EJA) e Asas da Florestania, ministrado nas áreas florestais mais distantes do meio urbano.

Na área da saúde, o atendimento médico no meio rural passou de 542 pacientes em 2005 para 6.659 pacientes no ano passado, quando também receberam atendimento odontológico 2.621 pessoas, contra 58 pessoas atendidas no ano de 2005. Na cidade, os médicos do município atenderam 14.811 pacientes em 2007, quando também foram beneficiadas 9.887 pessoas com atendimento odontológico.

Em políticas sociais, só no ano passado, a prefeitura ampliou para 1.777 o número de famílias pobres beneficiadas pelo programa Bolsa Família, atendeu 1.300 famílias em situação de vulnerabilidade social através do Programa de Atenção Integral à Família (PAIF) e retirou do mercado de trabalho, colocando na escola, 250 crianças através do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI). Além disso, atendeu em 2007 197 mulheres no Centro de Referência da Mulher e ajudou 150 adolescentes vítimas de violência, abuso e exploração sexual. (R.A.)

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.