VOLTAR

Bloqueio entre Cuiabá e Rondonópolis deve acabar hoje

Só Notícias
08 de abr de 2008

O radicalismo e intolerância de alguns integrantes de tribos indígenas em Mato Grosso estão resultando em transtornos e prejuízos para centenas de pessoas com o bloqueio por mais de 24 horas da BR-364 - a principal rodovia que liga Cuiabá a Rondonópolis. Desde ontem, às 5:30h, só ambulâncias estão passando. Centenas de caminhoneiros, passageiros de ônibus e de automóveis são obrigados a ficar parados na rodovia enquanto o governo atende as exigências dos manifestantes. Eles acabaram dormindo, esta madrugada, nos veículos em que seguiam viagem. Nem todos têm alimentos. Nos ônibus haveria crianças.

A Polícia Rodoviária Federal recebeu a informação que o bloqueio deve ir o início da tarde. Os índios aguardam o Diário Oficial com a decisão que foi revoga a transferência da sede da Funai (Fundação Nacional do Índio) de Cuiabá para Juína. Eles montaram acampamentos ao lado do rio Aricá onde colocaram redes e fazem suas refeições. Na pista, foram colocados galhos de árvores e pneus para bloquear o tráfego. Os índios das tribos Bororos, Terena, Imutina e outros chegaram a protestar na sede da Funai, na capital, mas não houve resultado. Ontem, resolveram fechar a principal rodovia que liga o Sul a capital.

O manifesto está trazendo prejuízos para centenas de empresas, profissionais liberais e de muitas pessoas que têm compromissos marcados. Alguns veículos estão passando pela estrada de Chapada dos Guimarães (que não é asfaltada) e seguem até Campo Verde por onde chegam a 364 e seguem viagem. Mas caminhões e carretas não passam.
Só Notícias apurou, na central da Polícia Rodoviária Federal, que há mais de 40 km de filas na rodovia.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.