VOLTAR

Bebê indígena com fissura labial passa por cirurgia nesta manhã

A Crítica(AM) - http://acritica.uol.com.br/
Autor: Lúcio Pinheiro
14 de abr de 2011

Pais da pequena Clarice estão vindo de Parintins para Manaus para acompanhar recuperação

A indiazinha Clarice Ayuka, de 15 dias de vida, vai ser operada nesta quinta-feira (14), às 8h, no Hospital da Criança da Zona Oeste, no bairro Compensa, localizado na Avenida Brasil. A informação é da assistente social da Casa de Saúde Indígena de Manaus (Casai/Manaus), Augusta Paulaim.

Clarice nasceu com fissura labial e fenda palatina, deficiências congênitas, conhecidas popularmente como lábio leporino. A criança teria sido rejeitada pelos pais, da etnia Heskariana, que vivem na aldeia Porteira, no Município de Nhamundá (a 375 quilômetros de Manaus).

De acordo com a assistente social, na tarde desta quarta (13), a cirurgia, que busca corrigir a deficiência, estava confirmada para esta manhã. "A criança está bem, e a previsão é para a cirurgia iniciar às 8h", informou Augusta Paulaim.

A assistente social disse que os pais da criança chegarão à Manaus na próxima sexta-feira, 15. Segundo Augusta, a rejeição à menina, por parte do casal, foi apenas momentânea. "Foi só na hora do nascimento. Mas eles se arrependeram. Não rejeitam a criança", explicou.

Lêda Tamuhrum, 40, e Albertino Eyexe, 40, pais de Clarice, chegarão de barco, informou a assistente social da Casai/Manaus. Segundo Augusta, ontem, eles já deveriam ter chegado em Parintins, de onde seguiriam para a capital.

Clarice foi trazida para Manaus por uma tia e uma irmã de 19 anos, no dia 31 de março, um dia após seu nascimento. No cartão de pré-natal da criança, havia uma anotação do Distrito de Saúde Indígena de Parintins (Disei/Parintins) observando que o bebê foi rejeitado pelo pai. Na ocasião, a indiazinha foi internada no Instituto da Mulher Dona Lindu, na Zona Centro-Sul de Manaus.

Saiba mais

Acompanhantes
Érica Amawnana, 32, e Larisse Ayuka, 19, tia e irmã de Clarice, respectivamente, acompanham a criança diariamente, no hospital. Elas não falam Português.

Um profissional da área de saúde da Casai/Manaus também acompanha o caso. Ao chegar ao Instituto da Mulher, o bebê apresentou um problema de icterícia (coloração amarelada na pele), mas já se recuperou.

A transferência da menina para o hospital da Zona Oeste ocorreu na última segunda-feira, 11.

http://acritica.uol.com.br/amazonia/Bebe-indigena-fissura-labial-cirurg…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.