VOLTAR

Barqueata protesta contra proibição de pesca nas Cagarras e outras ilhas

O Globo, Rio, p. 11
01 de mai de 2007

Barqueata protesta contra proibição de pesca nas Cagarras e outras ilhas
Projeto de proteção integral da área encontra resistências

Tulio Brandão

Segue encontrando resistências o projeto do Ibama de transformar o arquipélago das Cagarras e as ilhas Redonda e Filhote, com seus entornos marinhos, e o arquipélago das Tijucas em monumento natural - unidade de conservação que estimula o turismo contemplativo mas proíbe todo o tipo de pesca. Será realizada hoje, às 8h30m, uma barqueata até as Ilhas Cagarras em protesto contra a proposta de proteção integral da área. Participarão do evento a ONG Vivamar, a colônia de pesca Z-13, a Confederação Brasileira de Pesca em Apnéia e outras entidades. As 10h, os manifestantes darão um abraço simbólico numa das ilhas.
0 projeto será discutido em consulta pública amanhã, às 19h, na Universidade Candido Mendes (Rua Joana Angélica 63, em Ipanema). Um documento final será elaborado com o resultado da reunião e encaminhado a Brasília. Após passar pelo Ibama, aguardará a sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Sérgio Anníbal, conselheiro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e professor de Aqüicultura e Pesca do Departamento de Biologia Marinha da UFRJ, disse ontem que, na área, a melhor solução é a criação de uma reserva de desenvolvimento sustentável.
- Ali, na verdade, já é uma Área de Relevante Interesse Ecológico (Arie) há muitos anos. Teria que ser reclassificada, mas não para uma categoria de proteção integral.
Anníbal diz que a Arie das Cagarras consta em mapas do Ibama. No entanto, segundo o órgão federal, a unidade jamais foi criada. A resolução do Conama que fala sobre a Arie determina que a proposta de decreto seja enviada ao Presidente da República, o que nunca foi feito.

O Globo, 01/05/2007, Rio, p. 11

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.