VOLTAR

Atendimentos do Mutirão no Xingu superam expectativas

Gazeta Digital
Autor: Raquel Ferreira
21 de set de 2007

Às margens do rio Tuaturi, uma dos afluentes do majestoso Xingu, fonte de vida para mais de cinco mil índios que habitam a região, o posto Leonardo Villas Bôas foi a base de uma importante ação social em Mato Grosso. Promovida nesta semana em uma parceria entre o Estado, a União e prefeituras de Gaúcha do Norte, Canarana e Querência, entidades e instituições se mobilizaram para levar aos povos indígenas do Alto Xingu serviços aos quais o acesso torna-se difícil em função das distâncias.

O Mutirão da Cidadania atendeu nove etnias na mais movimentada base do Parque Nacional do Xingu. Das ações participaram os Kuikuro, Yawalapiti, Aweti, Kamayurá, Waurá, Mehinako, Kalapalo Nafukuá e Matipú, povos que em sua diversidade étnica e cultural tiveram acesso aos mais variados serviços de cidadania proporcionados pelo Mutirão

A emissão de Carteira de Identidade, junto com o Título Eleitoral e consultas médicas foram alguns dos serviços mais procurados. Para auxiliar na identificação e digitação dos nomes nos documentos, o professor Mutuá Kuikuro participou durante todo o dia dos atendimentos, atuando como tradutor inclusive. Mutuá é um dos 186 professores formados pela Unemat no programa de Educação Superior Indígena, no curso de Artes, Língua e Literatura. Ele trabalha com 90 alunos na aldeia Kuikuro de Ipatse, a maior da etnia, no município de Gaúcha do Norte, onde vivem mais de 300 índios.

"Foi muito bom poder ajudar no Mutirão e também participar, buscar serviços para mim e minha família. A iniciativa do Governo do Estado ajudou muitas etnias", afirmou Mutuá que levou a mulher e os dois filhos ao Mutirão.

Ao lado de Mutuá, outros quatro professores formados na primeira turma da Unemat atuam em aldeias do Alto Xingu, sendo que a maior parte deles trabalha na escola do Posto Leonardo, coordenada por Amatiwana Matipú.

Airiká Kuikuro foi uma das centenas de índias que procuraram o Mutirão para solicitar documentos, como a Carteira de Identidade, "É bom vir aqui, tirar na hora o que a gente precisa", disse.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.