VOLTAR

Após um mês sem água, MPF pede que aldeias recebam água em caminhões-pipa

G1 https://g1.globo.com
18 de set de 2018

Uma ação do Ministério Público Federal contra a União pede que o abastecimento de água seja reestabelecido na aldeia Cachoeirinha e outras 11 comunidades indígenas da Ilha do Bananal, na região sudeste do Tocantins. Os nativos afirmam que estão há mais de um mês sem água potável.

Há uma semana o cacique Ibederi Javaé denunciou a situação dos indígenas. Na aldeia Cachoeirinha vivem 74 pessoas. Eles estão utilizando água do rio Javaés, mas o manancial estaria poluído e causando vômito, diarreia e dor de cabeça, principalmente nas crianças.

"Estamos buscando água no rio Javaés, mais de 400 metros puxando carrinho e tambor. Água Javaé é poluída", disse o cacique Ibederi Javaé.

A informação repassada pelos indígenas é que a água distribuída na aldeia vem de um poço, que estaria seco e com a bomba queimada. O Ministério Público pediu que o abastecimento seja feito com urgência, por meio de caminhões-pipa.

A TV Anhanguera procurou a Secretaria Especial de Saúde Indígena. Os responsáveis informaram que ainda não foram notificados sobre a ação do MPE e por isso não poderiam comentar sobre o caso.

Na semana passada, o Ministério da Saúde disse que o Distrito Sanitário Especial Indígena (Dsei) foi informado sobre a ocorrência de um problema na bomba utilizada para captação de água devido utilização inadequada do equipamento.

Afirmou que assim que recebeu a informação, o Distrito deslocou uma equipe à aldeia para solucionar o problema, mas o sistema voltou a apresentar defeito no final de agosto de 2018. E disse que o Dsei está providenciando uma nova equipe para solucionar o problema.

https://g1.globo.com/to/tocantins/noticia/2018/09/18/apos-um-mes-sem-ag…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.