VOLTAR

Após 11 horas, índios liberam trânsito a MS-295 em MS

Midiamax - http://www.midiamax.com.br
15 de jan de 2014

Os indígenas liberaram agora a pouco, por volta das 18h, o trânsito na Rodovia MS-295 trecho que liga Tacuru a Iguatemi.

O trecho da rodovia estadual que integra a vulgarmente conhecida "Guaira-Porã", foi bloqueada por volta das 7h da manhã dessa quarta-feira (15) por um grupo de aproximadamente 60 indígenas das aldeias Sassoró e Jaguapiré, ambas em Tacuru.

Os manifestantes querem a saída do chefe do Pólo Regional da SESAI (Secretaria Especial da Saúde Indígena), Gilmar Rodrigues e a nomeação de um índio para ocupar o cargo.

Segundo lideranças das duas reservas ouvidas pela reportagem do A Gazetanews, entre elas o vice-capitão da Aldeia Sassoró e vereador em Tacuru, Ancilo Castelão, as exigências dos manifestantes não refletem a vontade da maioria da comunidade e sim de pequenos grupos motivados por forças políticas.

Segundo a polícia, no decorrer da semana passada uma equipe de saúde composta por motorista, médico, enfermeiros e técnicos de enfermagem da SESAI já haviam ficado refém dos manifestantes por cerca de meio dia na Aldeia Jaguapiré e inclusive um veículo da Secretaria apreendido pelos indígenas ainda estaria retido no interior da aldeia, fator que acabou prejudicando o atendimento à saúde da própria comunidade indígena local.

Bloqueio causou transtornos e prejuízos

Veículos de carga, carros de passeio e até ônibus de passageiros foram barrados na barricada formada pelos indígenas na rodovia e ficaram impedidos de seguir viagem durante a manifestação dessa quarta em Tacuru, causando grandes prejuízos aos usuários da via.

Equipes das polícias, Militar Rodoviária Estadual (PRE) da base operacional de Amambai e da Polícia Militar de Tacuru, estiveram no local acompanhando a movimentação dos manifestantes.

http://www.midiamax.com.br/noticias/891545-apos+11+horas+indios+liberam…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.