VOLTAR

Aldeias indígenas na PB ganham ampliação no sistema de abastecimento; obras devem terminar em julho

WSCOM Online
14 de mai de 2007

Estão em fase de construção a ampliação do sistema de abastecimento em aldeias indígenas paraibanas. Quando estiverem concluídas, em junho, cerca de 1,5 mil índios das aldeias de Akajutibiró e Tramataia, localizadas nos municípios de Baía da Traição e Marcação, serão beneficiados.

Os investimentos são da ordem de R$ 450 mil e envolve a construção de dois poços tubulares para captação da água, dois reservatórios de concreto com capacidade de 100 mil litros, duas novas redes de distribuição com 400 metros de comprimento e 95 ligações domiciliares. O projeto ainda prevê a extensão da Rede Elétrica para atender o Sistema.

"Hoje a capacidade de armazenamento da água consumida pelas aldeias é de 50 mil litros, isso corresponde à apenas metade da água que estará disponível após a ampliação", explica Wilma Honorato, técnica da Divisão de Engenharia de Saúde Pública Diesp.

De acordo com informações da Coordenação Regional da Funasa, na Paraíba a ação é fundamental para manutenção do fornecimento de água devido ao crescimento da população local. "A estimativa é de que até 2.010 o número de habitantes destas áreas aumente mais de 50%", prevê Wilma Honorato. "Nos finais de semana o fornecimento já é comprometido devido ao crescimento do consumo dos banhistas que visitam o litoral sul do Estado", completa Wilma.

Além do uso pessoal, a ampliação do sistema de abastecimento deve impulsionar a atividade agrícola, que constitui a principal fonte de renda das comunidades. "A produção de feijão, milho, arroz, mandioca, abacaxi, inhame, mamão e mangaba é exportada para Guarabira, Campina Grande, João Pessoa e até Recife", concluiu Wilma Honorato.

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.