VOLTAR

Alckmin vai multar quem consumir mais água; punição pode chegar a 30%

OESP, Metrópole, p. A12
18 de abr de 2014

Alckmin vai multar quem consumir mais água; punição pode chegar a 30%
Medida deve entrar em vigor em junho, quando Sabesp estará usando volume morto do Cantareira

Fabio Leite - O Estado de S. Paulo

SÃO PAULO - Em mais uma tentativa para evitar o rodízio generalizado de água, o governo Geraldo Alckmin (PSDB) pretende iniciar ainda neste semestre a cobrança de multa para quem aumentar o consumo na Grande São Paulo. Segundo balanço divulgado pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), 24% dos clientes abastecidos pelo Sistema Cantareira elevaram o gasto em fevereiro, primeiro mês do plano de bônus.
"É para esse conjunto que estamos preparando um programa novo de ônus", disse nesta quinta-feira, 17, o secretário estadual de Saneamento e Recursos Hídricos, Mauro Arce, em entrevista à rádio CBN. Segundo ele, o plano ainda está em fase de estudo e deve ser anunciado em maio, para começar a ser aplicado em junho. "Estamos indo para uma linha de que o ônus será igual ao bônus em termos de porcentual", completou Arce.
No caso do plano de bônus, a Sabesp dá desconto de 30% na conta de água para quem reduzir o consumo em ao menos 20%. O cálculo é feito com base na média mensal de gasto em metros cúbicos entre fevereiro de 2013 e janeiro de 2014. Por essa lógica, a Sabesp aplicará multa de 30% para quem aumentar o consumo em 20% ou mais em relação à média de 12 meses. Em nota, a Sabesp informou que um estudo vai definir a forma de punir financeiramente quem não economizar água.
Trata-se de mais uma medida do governo estadual para tentar reduzir o volume de água retirado do Cantareira, cujo volume registrou nova queda ontem, chegando a 12,2% da capacidade - nesta quarta-feira, 16, estava em 12,3%. Até agora, o governador apostava na adesão do plano de bônus e na reversão de água dos sistemas Guarapiranga e Alto Tietê para regiões abastecidas pelo Cantareira para atravessar a crise sem adotar o racionamento de água generalizado.
O programa de desconto foi lançado em fevereiro apenas para os clientes da região do Cantareira. Segundo a Sabesp, 37% atingiram a meta e ganharam o bônus e outros 39% reduziram o consumo, mas não atingiram o patamar exigido. Mesmo assim, 24% aumentaram o gasto. Os dados de março não foram divulgados. Em abril, o plano foi expandido para quem recebe água do Guarapiranga e Alto Tietê, somando 17 milhões de clientes. A Sabesp estima prejuízo de R$ 800 milhões com a medida, que tem duração prevista até 31 de dezembro.
"O que eu gostaria com o resultado desse plano de ônus é que ninguém fosse multado, que ninguém aumentasse o consumo", disse Arce. Segundo ele, o programa analisará casos especiais, onde o aumento do consumo de água é inevitável. "Evidentemente que vamos ter algumas ressalvas. Alguém que tenha motivo justo. Um casal que não tinha filho e veio quíntuplos, por exemplo. Vamos analisar caso a caso."
Espera. Questionado ontem em coletiva de imprensa sobre a multa, Alckmin disse que era preciso "esperar". Pouco antes, ele havia destacado que São Paulo "é o único ente federativo no Brasil que não puniu, mas premiou, quem está fazendo o uso racional da água".
No início do mês, o Estado revelou que o consumo de água do Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista e residência oficial do governador, aumentou 22% em janeiro, quando estourou a crise, em relação a dezembro de 2013. Na comparação com a média de 12 meses, o gasto caiu 1,4% em fevereiro. Alckmin culpou o calor. O palácio á abastecido pelo Sistema Guarapiranga.

MEDIDAS DA SABESP PARA TENTAR CONTER A CRISE

Remanejamento
Reversão de água dos sistemas Guarapiranga e Alto Tietê para 1,6 milhão de imóveis que eram abastecidos pelo Cantareira
Bônus
Desconto de 30% na conta para cliente do Cantareira que reduzir o consumo em pelo menos 20%
Chuva artificial
Contrata empresa para bombardear nuvens e fazer chover nas represas do Cantareira em Bragança Paulista
Grandes consumidores
Reduz a exigência de consumo mínimo para indústrias e empresas que pagam tarifa especial
Corte no atacado
Reduz em 15% o volume de água vendido às cidades de Guarulhos e São Caetano
Expansão do bônus
Amplia o plano para clientes que também são abastecidos pelo Guarapiranga e Alto Tietê
Volume morto
Inicia obras para captar água na reserva profunda do Cantareira
Racionamento noturno
Reduz em 75% a pressão da água na rede entre meia-noite e cinco da manhã

Professor reduz consumo, mas enfrenta falta d'água

Fabio Leite - O Estado de S.Paulo

Sem água no período da noite há cerca de três meses, o professor Heitor Claudio Leite e Silva, de 56 anos, teve de comprar uma caixa d'água de mil litros para poder tomar banho em casa após o dia de trabalho. Ele mora com a mulher em um sobrado no bairro Vila Nova Cachoeirinha, zona norte da capital. Abastecida pelo Sistema Cantareira, a região foi a primeira a sentir os efeitos da crise hídrica.
"Desde fevereiro, eu sinto essa redução da pressão (da água à noite) que estão falando agora. Como meu chuveiro é com gás encanado, ele está ligado na água da rua por causa da pressão. Chega nove horas da noite, já não tem água para tomar banho", disse Silva, que está fazendo sua parte e reduziu o consumo em 11% em março. Procurada, a Sabesp não se manifestou sobre o problema no local.

OESP, 18/04/2014, Metrópole, p. A12

http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,alckmin-vai-multar-quem-cons…

http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,professor-reduz-consumo-mas…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.