VOLTAR

África: maior vitima do caos climático

O Globo, Meio Ambiente, p. 42
05 de jun de 2005

África: maior vitima do caos climático
Aumento da temperatura dos oceanos vai acelerar processo de desertificação no continente

Andrew C. Revkin

Poucos lugares no mundo são tão vulneráveis às alterações climáticas, particularmente à seca, quanto a África. Da região do Sahel ao outro lado do turbulento continente, a equação é uma só, segundo Richard Washington, especialista em clima da Universidade de Oxford, responsável por um dos mais completos estudos sobre o futuro do clima no continente: "Lá, quando a chuva não chega, as pessoas morrem".
E esse quadro deve piorar muito nos próximos 50 anos. O motivo é a emissão de gases e o aquecimento global, que devem aquecer os oceanos Índico e Pacífico, provocando uma verdadeira revolução do clima no continente. Algumas regiões terão processo de desertificação acelerado, enquanto outras sofrerão com chuvas torrenciais seguidas por grandes períodos de seca.
Por meio do estudo, os especialistas americanos estão tentando entender o que vai acontecer em cada região da África. Para isso, analisam detalhadamente os acontecimentos climáticos dos últimos cinco anos e os eventos mais importantes do século XX.
A conclusão é de que as mudanças climáticas no continente por causa da interferência humana já começaram e são inevitáveis por pelo menos algumas décadas.
Sul do continente deve ser mais castigado
A pesquisa prevê a situação mais complicada para o sul da África. De acordo com ele, nos próximos 50 anos o aquecimento das águas dos oceanos Índico e Atlântico, naquela região, acontecerá de forma acelerada. Os autores afirmam que esse aquecimento terá uma série de conseqüências ambientais e climáticas para o continente, entre elas o processo de desertificação.
- Percebemos claramente que o Oceano Índico enfrentará um aquecimento da água considerável nos próximos 50 anos, e o motivo é a emissão de gases na atmosfera. O Atlântico também deverá passar por processo semelhante, apesar de mais brando. Isso deve afetar bastante o sul do continente africano - alertou o pesquisador James W. Hurrell, do Centro Nacional para Pesquisa Atmosférica, no Colorado, um dos colaboradores do estudo.
Simulações foram feitas em modelos computadorizados
A partir de mudanças observadas, foram feitas simulações computadorizadas do que poderá acontecer nas próximas décadas. Foram utilizados cinco modelos diferentes de simulação, elaborados por renomados institutos de pesquisa no mundo.
O aquecimento, de acordo com os resultados, provocará tempestades marítimas, chuvas fortes e pouco comuns em algumas regiões, intensos períodos de seca e a desertificação de algumas áreas, hoje utilizadas para a agricultura de subsistência.
Para a região do Sahel, as opiniões ainda são diversas. Enquanto algumas simulações projetaram uma intensificação das chuvas para algumas áreas, outras prevêem uma sensível piora nas condições climáticas, como a intensificação dos períodos de seca e a aceleração do processo de desertificação.
Segundo o pesquisador Kerry H. Cook, que também integrou a equipe responsável pelo estudo, as simulações indicam ainda grandes mudanças na África Central e na região do Golfo de Guiné.
- Existem regiões que serão mais afetadas, como o sul, mas não há dúvidas de que todo o continente sentirá de forma intensa as mudanças climáticas. Isso terá conseqüências ainda mais devastadoras para as populações que já precisam conviver com a pobreza e a escassez de recursos. Muitos países da região, no entanto, enfrentam guerras civis e uma série de outros problemas graves, e não têm como dar atenção ao problema - disse o pesquisador.

O Globo, 05/06/2005, Meio Ambiente, p. 42

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.