VOLTAR

Waimahsã: peixes e humanos.

Documento não disponível em digital.

O autor propõe uma reflexão sobre o conjunto de narrativas míticas que incluem os feitos e as tramas vivenciadas pelos responsáveis pela organização do mundo, dos seres e das coisas. João Paulo Lima é nascido na aldeia São Domingos, no município de São Gabriel da Cachoeira (AM). Originalmente dissertação de mestrado. o livro constitui uma reflexão preliminar sobre o conhecimento Tukano da relação entre humano e não-humano para além de narrativas míticas. Seu foco está na diferenciação entre as categorias de wai-mahsã (humanos invisíveis) e wai (peixe). Os waímahsã são seres humanos que habitam nos domínios da terra, floresta, ar e água. Eles detêm a capacidade de metamorfose e camuflagem, assumindo (vestindo a roupa) a forma de animais e peixes e adquirindo suas características e habilidades físicas. São também a fonte de conhecimento, aqueles com os quais os especialistas tukano (yai, kumu e baya) devem se comunicar e aprender, acessando neles seus conhecimentos. A categoria de wai (peixe), ao contrário de algumas conclusões antropológicas, não possui atributos antropocêntricos, isto é, não tem status de gentes ou pessoas. Para os Tukano, os peixes nunca tiveram, nem mesmo em sua origem mítica, condição humana. Pelo contrário, como veremos, sua gênese está quase sempre relacionada ao que é descartado: restos de madeira, objetos e ornamentos abandonados pelos wai-mahsã. O livro é uma tentativa de desfazer a confusão feita entre os conceitos de wai-mahsã e wai.