VOLTAR

Anthropogenic landscape in southeastern Amazonia: contemporary impacts of low-intensity harvesting and dispersal of Brazil nuts by the Kayapó indigenous people.

FAÇA O DOWNLOAD

Tamanho: 840.43 KB  |  Formato: PDF

A castanha-do-pará, a semente de Bertholletia excelsa, é um dos produtos florestais não madeireiros mais importantes da floresta amazônica e a subsistência de milhares de famílias tradicionais da Amazônia depende de sua comercialização. A castanheira é frequentemente citada como um indicador de florestas antropogênicas e há fortes evidências de que o manejo humano anterior contribuiu significativamente para a sua distribuição atual em toda a Amazônia, sugerindo que os baixos níveis de colheita podem desempenhar um papel positivo. Os autores avaliam os efeitos da colheita da castanha-do-pará pelos índios Kayapó em 20 castanhais submetidos a diferentes intensidades de colheita e investigam se o manejo por coletores influencia os padrões de sua distribuição. O número de anos da colheita de castanha-do-pará de baixa intensidade pelos Kayapó nas últimas duas décadas foi positivamente relacionada à densidade de mudas de B. excelsa. Um dos mecanismos por trás da maior densidade de mudas nos locais de colheita parece ser a dispersão de sementes pelos coletores ao longo das trilhas. Os Kayapó também plantam sementes e mudas de B. excelsa intencionalmente em seus territórios. Os resultados mostram não só que a colheita de castanha-do-pará de baixa intensidade pelo povo Kayapó não reduz sua regeneração, mas que a colheita e atividades associadas conduzidas por coletores tradicionais podem beneficiar castanheiras além dos limites da floresta. O estudo apoia a hipótese de que a dispersão de B. excelsa em toda a Amazônia foi, pelo menos em parte, influenciada por grupos indígenas e sugere fortemente que a gestão humana atual contribui para a manutenção e formação de castanhais. O artigo sugere que mudanças nas práticas de manejo da castanha-do-pará por populações tradicionais para evitar impactos da colheita pode ser desnecessário e até contraproducente em muitas áreas, e deve ser cuidadosamente avaliada antes da implementação.