VOLTAR

Exposição Hercule Florence

FSP - http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima
03 de Mai de 2015

Exposição Hercule Florence

A "Ilustríssima" fez três perguntas para Glória Kok e Francis Lee, curadoras da exposição "O Olhar de Hercule Florence sobre os Índios Brasileiros". (Thiago Nascimento)
Folha - Como o Brasil de 190 anos atrás está presente na exposição?
Kok e Lee - Hercule Florence realizou incursões pelo interior de São Paulo, documentando em textos e imagens a vida nas vilas e fazendas, as tradições populares e a situação dos escravos. E não ficou apenas na teoria: ao adquirir a fazenda do sogro, libertou os cativos e introduziu o sistema de parceria.
Qual é a situação atual de etnias indígenas registradas pelo artista?
Os oti xavantes, por exemplo, foram extintos, já os caiapós do Sul se dispersaram, mas foram recentemente identificados como panarás. Os apiacás, retratados por ele quando o contato com os brancos ainda não havia se estabelecido, sofreram a brutalidade do trabalho nos seringais e foram considerados extintos. No final do século 20, porém, conseguiram reconstruir suas tradições.
Como Florence foi usado na construção do mito bandeirante?
Por ocasião dos preparativos para o centenário da independência do Brasil, o então diretor do Museu Paulista, Affonso Taunay, encomendou a renomados artistas pinturas a óleo executadas a partir de desenhos de Florence. O resultado compôs as salas sobre São Paulo antigo, formando um panorama da Província no século 19 e destacando o papel do bandeirante como desbravador do sertão, e dos paulistas na construção do Brasil. Foi por esse motivo que Taunay chamou Hercule Florence de patriarca da iconografia paulista.

Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin - Sala Multiuso | tel. (11) 2648-0310 | seg. a sex., das 8h30 às 18h30 | de 6/5 a 30/6 | grátis

http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/2015/05/1623883-arte-e-musica…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.