VOLTAR

Brasil e China precisam 'descarbonizar'diz ONG

FSP, Ciencia, p.A14
14 de Dez de 2004

Brasil e China precisam "descarbonizar" diz ONG
Enquanto Brasil, China e Índia crescem com sua indústria e agropecuária emergentes, os países industrializados querem que eles não sigam praticando as ações sujas que os tornaram alguns dos maiores poluidores do mundo.
A China é o segundo produtor de gases-estufa, atrás dos EUA, devido a um surto industrial baseado na queima de carvão. O Brasil está na sexta colocação, por conta do dióxido de carbono produzido pela queima da floresta amazônica para abrir lavoura e pasto, e a Índia, também dependente do carvão, é a quinta maior fonte de emissões de gases-estufa.
Na conferência da ONU em Buenos Aires que vai até sexta-feira, os negociadores e ativistas buscam trazer os países em desenvolvimento para o próximo estágio da redução de emissões após a conclusão do Protocolo de Kyoto, em 2012.
Os países em desenvolvimento foram excluídos do acordo de Kyoto, de 1997, por argumentarem que cortes nas emissões poderiam impedir o crescimento necessário para promover o desenvolvimento. Sua exclusão foi um dos motivos pelos quais os EUA abandonaram o protocolo.
Entre 1990 e 2000, as emissões de CO2 ligadas à produção de energia cresceram 69% na Índia, 57% no Brasil e 33% na China.
"Se Índia, China e Brasil replicarem nosso padrão de desenvolvimento baseado em combustíveis fósseis, o jogo acabou", disse Alden Meyer, diretor da ONG União dos Cientistas Responsáveis.
Steve Sawyer, especialista em clima e energia do Greenpeace, diz que esses países precisam "descarbonizar" suas economias. "Essa será uma das características-chave do regime pós-2012."
China e Brasil tomaram um passo adiante na conferência, apresentando conjuntamente seus inventários de emissões de gases poluentes. A Índia fez o mesmo seis meses atrás.
Numa apresentação na última sexta, Joke Waller-Hunter, secretário-executivo do órgão da ONU que liga com mudança climática, chamou a China e o Brasil de "dois fortes pilares no nosso processo de mudança climática".
Mas espera-se que as nações em desenvolvimento fiquem juntas e combatam qualquer iniciativa internacional que atrapalhe seu crescimento. O ministro brasileiro da Ciência e Tecnologia, Eduardo Campos, disse que a responsabilidade de reduzir o aquecimento global recai "substancialmente" sobre os países ricos.

FSP, 14/12/2004, p. A14

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.