VOLTAR

A Amazônia importa

FSP, Caderno Especial, p. 1-14
09 de ago de 2020

A Amazônia importa
Além da importância fundamental para o clima, para a conservação de milhares de espécies de animais e plantas e para a saúde presente e futura de toda a humanidade, a floresta em pé, conservada e recuperada, tem impacto econômico positivo muito maior do que qualquer exploração ilegal de suas riquezas. a boa notícia é que cresce o número daqueles que reconhecem isso

A Floresta Amazônia voltou com força aos noticiários. O recorde de queimadas provocou uma mobilização global. Gestores de fundos de investimentos internacionais que somam cerca de US$ 4 trilhões (mais de R$ 20 trilhões) pediram ao governo brasileiro que atue para conter as queimadas e o desmatamento. O mesmo fizeram grandes empresas nacionais e os três maiores bancos privados do país.

Todos pedem um compromisso com o desenvolvimento sustentável.

O que há décadas era uma certeza acadêmica e prática de umas poucas empresas se transformou em defesa quase unânime: a floresta em pé, preservada, é muito mais importante que sua exploração ilegal em vários aspectos, inclusive o econômico.

A Amazônia importa porque é um dos principais reguladores do clima do planeta; por garantir chuvas abundantes em áreas produtivas da América do Sul; por conter a maior biodiversidade da Terra; para garantir a sobrevida de povos indígenas; para o desenvolvimento de novos remédios e para ensinar ao mundo que o desenvolvimento sustentável é possível.

"Se hoje falamos em soluções baseadas na natureza para o futuro da humanidade, a riqueza existente na Amazônia não está nem na categoria de abundância, mas de fortuna", afirma Marcos Buckeridge, botânico e diretor do Instituto de Biociências da USP.

Ver todas as matérias do caderno no link:

http://estudio.folha.uol.com.br/amazonia-importa/

http://estudio.folha.uol.com.br/amazonia-importa/2020/08/1988808-a-amaz…

FSP, 09/08/2020, Caderno Especial, p. 1-14

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.