VOLTAR

Seis cavernas serão reabertas no feriadão

FSP, Cotidiano, p. C2
21 de mar de 2008

Seis cavernas serão reabertas no feriadão
Secretaria do Meio Ambiente diz que decisão ocorre após acordo com o Ibama, que havia determinado fechamento de 46 cavernas
Acesso será liberado nas cavernas do Diabo e Rolando, no parque Jacupiranga, e nas do Morro Preto, Água Suja, Couto e Chapéu, no Petar

Da reportagem local

O governo do Estado vai reabrir para visitação às 11h de hoje -e somente até domingo- 6 das 46 cavernas do Vale do Ribeira, no extremo sul do Estado, que estavam interditadas havia um mês pelo Ibama.
A informação foi dada ontem à noite pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente, após reunião com integrantes do instituto federal. O fechamento das 46 cavernas havia sido determinado pelo fato de elas não terem planos de manejo -estudo para mapear riscos de degradação e segurança dos turistas.
Segundo a pasta, foi firmado um acordo ontem para a reabertura temporária de seis cavernas neste feriado prolongado, mas uma eventual liberação definitiva só será discutida em encontro na próxima segunda.
Duas das seis cavernas que voltarão a receber visitantes hoje são do parque Jacupiranga -incluindo a do Diabo, a mais visitada, e a Rolando.
As outras quatro são do Petar: Morro Preto, Água Suja e as cavernas do Couto e do Chapéu. A de Santana, outra bastante famosa, segue fechada.
A reabertura temporária foi definida, segundo a secretaria, mediante algumas condições. Não poderá haver utilização de luz elétrica nas visitações -algo freqüente na do Diabo- para evitar danos. Os visitantes só poderão usar lanternas a pilha.
A Folha não conseguiu contato na noite de ontem com representantes do Ibama.
O fechamento das cavernas do Vale do Ribeira havia provocado uma avalanche de viagens canceladas. O Estado inclusive suspendeu a cobrança do ingresso de R$ 3 no Petar com a intenção de atrair os turistas ao parque. (ALENCAR IZIDORO)

FSP, 21/03/2008, Cotidiano, p. C2

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.