VOLTAR

Redução de pressão pode contaminar água

FSP, Cotidiano, p. C5
20 de jan de 2015

Redução de pressão pode contaminar água
Para especialistas, se feita de forma errada, medida permite a entrada de bactérias, ar e até esgoto na tubulação
Califórnia não a adota por não ser 'boa ideia', afirma hidrologista; pressão mínima garante segurança, diz Sabesp

FABRÍCIO LOBEL DE SÃO PAULO

A redução de pressão na rede, principal aposta da Sabesp para reduzir o consumo de água na Grande São Paulo, aumenta a possibilidade de contaminação, caso seja feita de maneira equivocada, segundo especialistas.
Em entrevista publicada na Folha nesta segunda (19), a hidrologista Newsha Ajami, diretora do programa Water in The West, da Universidade de Stanford, disse que a medida não é uma técnica usual na Califórnia, Estado americano que, assim como São Paulo, enfrenta grave seca e crise de abastecimento.
"Não fazemos isso na Califórnia e não achamos que é uma boa ideia. A redução da pressão da água aumenta o risco de contaminação."
Para Marcelo Libanio, professor do Departamento de Engenharia Hidráulica da UFMG, a contaminação ocorre em situação muito específica. "O risco existe, mas se a rede continuar pressurizada, isso não ocorre", diz.
Segundo especialistas, há contaminação quando, com a redução, a pressão nas tubulações chega a ficar negativa em determinado ponto. Ali, se houver algum vazamento, há o risco de entrada de bactérias, ar e até esgoto.
Normalmente, se há alguma rachadura nos canos, a alta pressão faz com que a água saia e não deixe nada entrar.
Justamente para diminuir essa perda de água pelos furos da rede (que na Grande São Paulo fica em torno de 19%), a Sabesp diminui a força com que a água é enviada pelos encanamentos.
O efeito colateral disso é que, se em algum ponto danificado da tubulação, a pressão chegar a ser negativa, a água que costumava vazar pelas tubulações, pode retornar para os canos contaminada pela terra que envolve os canos.
Em situações extremas, caso a tubulação de esgoto também esteja danificada, pode haver a entrada de esgoto na rede de água.
A Sabesp informa que mantém uma pressão mínima nas tubulações que garante que contaminantes não entrem na rede.
INTENSIFICADA
A redução de pressão é uma operação que ocorre na Grande São Paulo desde 1997. Com o agravamento da crise de abastecimento, no entanto, foi intensificada e hoje é adotada em todos os bairros em que a Sabesp opera na região metropolitana.
Os especialistas concordam com a medida como forma de economia de água, desde que ela consiga atender a todos os consumidores, o que nem sempre ocorre.
Segundo a Sabesp, a redução de pressão é responsável pela economia de 8 m³/s de água. Para se ter uma ideia, isso é cerca da metade do que tem sido retirado diariamente do sistema Cantareira.

FSP, 20/01/2015, Cotidiano, p. C5

http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidiano/204747-reducao-de-pressao-po…

As notícias aqui publicadas são pesquisadas diariamente em diferentes fontes e transcritas tal qual apresentadas em seu canal de origem. O Instituto Socioambiental não se responsabiliza pelas opiniões ou erros publicados nestes textos. Caso você encontre alguma inconsistência nas notícias, por favor, entre em contato diretamente com a fonte.